Os milionários que pediram auxílio ao governo dos EUA na pandemia

O programa, em sua essência, concede empréstimos a pequenas empresas afetadas pela pandemia de covid-19

O empresário, cantor e produtor musical americano Kanye West, um novo milionário, é um dos beneficiários dos empréstimos do governo dos Estados Unidos para ajudar pequenas e médias empresas durante a pandemia de covid-19, noticiou nesta terça-feira, 7, a imprensa americana.
West, que em novembro do ano passado anunciou sua candidatura para a eleição presidencial americana, se beneficiou dos fundos do Programa de Proteção de Cheques (PPP) — empréstimos especiais para o período de pandemia — para sua marca de sapatos, Yeezy, desenvolvida em parceria com a Adidas.

Outro beneficiário famoso é o artista americano Jeff Koons, um dos mais requisitados do mundo, cuja escultura “Rabbit” foi vendida por 91,1 milhões de dólares a preços atualizados, um recorde absoluto de leilão para um artista em vida.

Além disso, também foram favorecidos os escritórios dos advogados David Boies, e Marc Kasowitz, que atuam na defesa do presidente Donald Trump, segundo a CNBC.

Entre outros beneficiários de empréstimos PPP estão a rede de restaurantes e negócios PF Chang, vinculada a vários membros do Congresso, assim como a poderosa Igreja de Cientologia, acrescentou a CNBC.

Vários meios de comunicação, incluindo o jornal The Washington Post, concordaram em informar que até o marido da líder democrata no Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, também pode se beneficiar de um empréstimo para a empresa da qual ele é sócio. Os empréstimos também foram para várias entidades que alugam espaços em edifícios pertencentes à Organização Trump, pertencente ao presidente.

Neil Barofsky, que administrou o programa público que ajudou os bancos americanos a eliminar seus ativos tóxicos depois da crise de 2008, descobriu que “mesmo que [os beneficiários] possam efetivamente reivindicar cumprir os critérios [para obter uma empréstimo], aceitar o dinheiro viola claramente o espírito da lei e parece apenas ganancioso e injusto.”

É a mais nova polêmica desde a implementação do PPP, lançado pelo governo em abril como um programa essencial para salvar empregos após o fechamento forçado de inúmeras empresas e negócios por causa do novo coronavírus, que ocasionou dezenas de milhões de demissões.

O programa, em sua essência, concede empréstimos a pequenas empresas afetadas pela pandemia de covid-19 para cobrir os salários dos funcionários, além de algumas despesas básicas.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE