Metalúrgicos da Chery fazem greve no interior paulista

Os trabalhadores exigem que a montadora chinesa pague os salários corretos e cumpra os direitos trabalhistas praticados pelas empresas da região

São Paulo – Treze dias após entregarem o aviso de greve, metalúrgicos da Chery em Jacareí, interior de São Paulo, colocaram em prática a paralisação de 100% da produção, por tempo indeterminado, a partir desta segunda-feira, 6.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, a greve foi deflagrada para pressionar a montadora chinesa a reconhecer a convenção coletiva da categoria, passando, dessa forma, a pagar os salários corretos e cumprir direitos trabalhistas praticados pelas empresas da região.

O sindicato afirma que, desde a inauguração da fábrica, em agosto de 2014, vem pressionando a Chery a assinar a convenção.

Apesar disso, sindicalistas acusam a empresa de se recusar a reconhecer os direitos da categoria e a legislação trabalhista brasileira.

Dentre as práticas consideradas “arbitrárias”, estão baixos salários, terceirização ilegal, falta de equipamentos adequados para execução de tarefas, desrespeito às normas de saúde e segurança e “péssima” qualidade da comida.

De acordo com o sindicato, a Chery paga um piso salarial de R$ 1.199 para montador, enquanto um trabalhador com a mesma função na General Motors tem um salário inicial de R$ 3.500.

A empresa também estaria se recusando a adotar a jornada de trabalho de 40 horas semanais e a assegurar estabilidade no emprego para vítimas de acidente de trabalho ou de doenças ocupacionais, como previsto na convenção coletiva da categoria.

“Os metalúrgicos não aceitam que a Chery continue desrespeitando os direitos conquistados com muito esforço. A montadora está em pleno funcionamento e, portanto, deve respeitar os direitos da categoria”, afirmou o presidente do Sindicato, Antônio Ferreira de Barros, o Macapá, em nota.

Procurada, a assessoria de imprensa da Chery confirmou a greve e informou que deve se pronunciar em breve sobre o assunto.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.