Negócios

Mercado de franquias cresce 14,3% em 2022 e faturamento supera R$ 211 bilhões

Setor de franquias no Brasil apresenta melhor resultado de quatro trimestre em três anos, mostra balanço da ABF

Franquias 2022: mercado avança 14,2% e fatura mais de R$ 211 bilhões (Kunakorn Rassadornyindee/Getty Images)

Franquias 2022: mercado avança 14,2% e fatura mais de R$ 211 bilhões (Kunakorn Rassadornyindee/Getty Images)

Isabela Rovaroto
Isabela Rovaroto

Repórter de Negócios

Publicado em 9 de fevereiro de 2023 às 11h41.

Última atualização em 3 de abril de 2023 às 09h58.

O mercado de franquias faturou mais de R$ 211 bilhões e cresceu 14,3% em 2022, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira, 9, pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). Na comparação com 2019, período pré-pandemia, o crescimento foi de 13,2%, demonstrando que os impactos gerados pela pandemia foram superados.

Desde o pico da pandemia, são oito trimestres de crescimento ininterrupto. Apenas no quatro trimestre, o franchising brasileiro registrou um crescimento de 12,6% na comparação com 2021. O faturamento chegou a R$ 63,8 bilhões nos últimos três meses do ano. Essa é a melhor performance registrada nos últimos três anos.

"Nós atingimos um marco super importante. O franchising como indústria rompe a casa de faturamento de R$210 bilhões pela primeira vez. Ao longo do ano nós já assistíamos um movimento forte de recuperação ", diz Tom Moreira Leite, novo presidente da ABF.

VEJA TAMBÉM:

Quais são as 50 maiores franquias do Brasil? Veja ranking

Em 2022, o setor registrou ainda expansões expressivas em número de unidades, redes de franquia e empregos diretos, o que corrobora o robusto desempenho do setor no ano.

Em número de unidades, o mercado de franquias cresceu 7,8% em 2022, totalizando mais de 184,3 mil unidades.

O franchising também empregou mais em 2022, passando de 1,41 milhão para 1,58 milhão de vagas. Cada unidade de franquia gera, em média, 9 empregos diretos.

A ABF projeta crescimento do faturamento entre 9,5% e 12% em 2023.

Quais segmentos mais cresceram?

Todos os segmentos registraram crescimento em 2022. Entre os maiores estão Hotelaria e Turismo (24,5%) e Saúde, Beleza e Bem Estar (21,5%) e Alimentação - Foodsevice (21,5%).

Segmento20212022Variação (4º tri 21 e 22)Variação por unidades
Alimentação10.95912.09810,40%2,10%
Alimentação - FS32.77639.82121,50%11,20%
Casa e Construção14.83015.9327,40%10,70%
Comunicação, Informática e Eletrônicos6.2186.7528,60%0,60%
Entreterimento e Lazer2.2092.47211,90%-1,30%
Hotelaria e Turismo7.9389.88524,50%-3,80%
Limpeza e Conservação1.5111.69412,10%24,20%
Moda22.07023.6297,10%8,20%
Saúde, Beleza e Bem Estar38.97647.36221,50%5,60%
Serviços Automotivos6.5056.8375,10%-4,80%
Serviços e Outros Negócios29.59732.0158,20%13,10%
Serviços Educacionais11.47912.99113,20%1,10%
Total Geral185.068211.48814,30%7,80%

O que motivou o crescimento?

Entre os principais fatores que contribuíram para este desempenho estão o forte retorno do comércio e atividades presenciais ao longo de todo o período, a recuperação da taxa de emprego, o avanço da digitalização e de outros canais de venda, principalmente o delivery, e os ganhos advindos das lições da pandemia. A emergência de novos modelos de negócio, principalmente virtuais e home based, o crescimento acelerado das microfranquias e marcas de outros mercados aderindo ao franchising são outros aspectos que também contribuíram.

Para Tom Moreira Leite, presidente da ABF, “em 2022 tivemos um amplo retorno dos contatos presenciais e ao longo de todo o período, inclusive com a retomada de hábitos como viagens e grandes eventos. Internamente, mantivemos o aprendizado da pandemia de fortalecer nossa operação em termos de eficiência e gestão, ao mesmo tempo em que continuamos a desenvolver capacidades e canais de venda digitais que mantêm uma participação muito relevante. Com isso, depois de uma curva de recuperação acelerada, voltamos a uma trajetória ascendente”.

Acompanhe tudo sobre:EmpreendedorismoFranquias

Mais de Negócios

Justiça condena Ypê por assédio eleitoral ao fazer live pró-Bolsonaro em 2022

Após venda de empresa, novo bilionário britânico vai compartilhar US$ 650 milhões com funcionários

O que levou a EMS a comprar a startup Vitamine-se

No lugar do call center, IA que cobra dívidas fecha mais de R$ 54 milhões em acordos em três meses

Mais na Exame