Expansão do mercado de pets no Brasil cria oportunidade para gigante Mars

No mercado global de animais de estimação, que movimenta US$ 130 bilhões, o Brasil ocupa o terceiro lugar, depois dos EUA e da China
Brasileiros buscaram a companhia de animais de estimação no ano passado: o número de cães e gatos aumentou 2% e 3,8%, respectivamente (RgStudio/Getty Images)
Brasileiros buscaram a companhia de animais de estimação no ano passado: o número de cães e gatos aumentou 2% e 3,8%, respectivamente (RgStudio/Getty Images)
F
Fabiana Batista, da Bloomberg

Publicado em 20/02/2021 às 17:51.

Última atualização em 21/02/2021 às 16:59.

O Brasil, terceiro maior mercado do mundo em produtos para animais de estimação, impulsiona os negócios da Mars depois que a gigante de chocolates dos EUA entrou no segmento de rações.

As vendas em nutrição da Mars Petcare no mercado brasileiro ultrapassaram o crescimento global da unidade no ano passado. As restrições de mobilidade estimularam a adoção de animais de estimação e aumentaram a demanda por ração premium, enquanto o auxílio do governo para familias de baixa renda favoreceu produtos mais baratos, disse José Carlos Rapacci, responsável pelo segmento de pet da Mars no Brasil.

Com o isolamento, os brasileiros buscaram a companhia de animais de estimação no ano passado: o número de cães e gatos aumentou 2% e 3,8%, respectivamente, segundo dados compilados pela Mars. O Brasil ainda tem grande potencial, pois menos da metade das necessidades calóricas de cães e gatos é suprida por alimentos industrializados, disse Rapacci.

“Nos países em desenvolvimento, esse percentual é próximo a 100% ou até superior com animais de estimação superalimentados”, disse em entrevista.

No mercado global de animais de estimação, que movimenta US$ 130 bilhões, o Brasil ocupa o terceiro lugar, depois dos EUA e da China, com vendas de US$ 7,3 bilhões no ano passado, um aumento de 14% em relação a 2019, de acordo com o Instituto Pet Brasil. A rede de produtos para animais de estimação Petz abriu capital em um dos maiores IPOs do país em 2020.

Embora os lockdowns não tenham ajudado a demanda por chocolate na mesma medida, as vendas do setor como um todo devem ter subido cerca de 2% no ano, disse Harvey Millar, que comanda a Mars Wrigley no Brasil.

Sem detalhar números, ele disse que a Mars Wrigley cresceu acima da média nacional, mesmo considerando o impacto da pandemia logo após a conclusão de um investimento para a produção do chocolate Snickers em São Paulo. A empresa está otimista depois de adaptar os canais de vendas para atender consumidores em casa, disse Millar.