Negócios

Marfrig espera margem de 8% a 10% na divisão Beef no 3º tri

No 2º trimestre, a divisão, principal da companhia e que abriga operações no Brasil, Uruguai e Chile, teve o Ebitda ajustado de 8,2%

Marfrig: "Os mercados para onde estamos vendendo estão mostrando recuperação o que permite que nossos resultados sejam bons" (Marfrig/Divulgação)

Marfrig: "Os mercados para onde estamos vendendo estão mostrando recuperação o que permite que nossos resultados sejam bons" (Marfrig/Divulgação)

R

Reuters

Publicado em 15 de agosto de 2017 às 15h53.

São Paulo - O grupo frigorífico e de alimentos Marfrig espera uma melhora de margem de lucro de sua divisão Beef no terceiro trimestre, apoiada por reabertura de unidades e uma oferta ainda positiva de gado bovino para abate, afirmou o presidente-executivo da companhia, Martin Secco, nesta terça-feira.

"Estamos com alta atividade neste terceiro trimestre. Os mercados para onde estamos vendendo estão mostrando recuperação o que permite que nossos resultados sejam bons", afirmou o executivo durante teleconferência com analistas. "Esperamos margem de 8 a 10 por cento para a divisão Beef no terceiro trimestre", acrescentou.

No segundo trimestre, a divisão, principal da companhia e que abriga operações no Brasil, Uruguai e Chile, teve margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustada de 8,2 por cento.

Segundo Secco, a Marfrig deve terminar 2017 com capacidade de abate de bovinos de 377 mil cabeças por mês e abate efetivo de mais de 300 mil animais mensais, se aproximando de pico de 2014, quando a empresa começou a paralisar unidades para fazer frente a um quadro de baixa oferta de gado e redução da demanda.

Acompanhe tudo sobre:BalançosBEEF3LucroMarfrig

Mais de Negócios

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Mais na Exame