Maior fabricante mundial de luvas está em risco por novo foco de covid-19

O governo da Malásia ordenou o fechamento de 28 fábricas da Top Glove por surto entre os funcionários

O novo foco do ressurgimento do coronavírus na Malásia é um lugar improvável: o vasto complexo fabril da maior fabricante mundial de luvas cirúrgicas. O surto coloca em risco não apenas um item de exportação importante para o polo de manufatura do Sudeste Asiático, mas também o início da recuperação econômica.

O governo ordenou na segunda-feira, 23, o fechamento de 28 fábricas da Top Glove em fases, depois de uma unidade em Klang, no estado de Selangor, ter registrado 1.067 casos de covid-19, dos 1.884 novos casos diários na Malásia.

Os novos casos continuaram e atingiram um recorde de 2.188 na terça-feira, dos quais mais da metade teve origem no surto de Teratai, ligado aos dormitórios dos trabalhadores da empresa.

A Top Glove disse na quarta-feira que o alto número de casos se deve ao aumento dos testes e que espera que o surto em suas instalações termine em duas a quatro semanas. Na quarta-feira, a Malásia registrou 970 novas infecções por covid-19.

O foco na Top Glove ilustra os desafios enfrentados pelo país do Sudeste Asiático, que parecia ter controlado o coronavírus até o final de setembro, quando políticos em campanha eleitoral no estado de Sabá, em Bornéu, ajudaram a propagar a doença pelo país. O ressurgimento de infecções ameaça impedir a recuperação econômica em um país que fornece cerca de dois terços das luvas de látex do mundo.

“O ressurgimento das infecções por covid-19 pode ameaçar a recuperação do crescimento no último trimestre deste ano e, possivelmente, no início do próximo ano, até que tenhamos a vacina”, disse Muhammad Saifuddin Sapuan, economista da Kenanga Research, com sede em Kuala Lumpur.

O surto limitou os ganhos das ações da Top Glove neste ano, cujo preço mais do que quadruplicou devido à forte demanda global por seus produtos. As ações da empresa se recuperaram na quinta-feira de uma queda de 9,5% em dois dias, embora ainda possam fechar com a maior perda mensal desde março de 2008.

A empresa disse que algumas entregas podem ser atrasadas por até quatro semanas e reduzir as vendas no ano fiscal de 2021 em 3%.

Com a colaboração de Anisah Shukry e Amir Hadi Azmi.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.