• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Magalu compra Hub: pagamento é o elo dos negócios, diz Frederico Trajano

Em entrevista exclusiva para a Exame, Frederico Trajano, presidente do Magazine Luiza explicou a estratégia por trás da aquisição da Hub
 (Exame/Germano Lüders)
(Exame/Germano Lüders)
Por Marina FilippePublicado em 21/12/2020 18:37 | Última atualização em 21/12/2020 18:37Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A varejista Magazine Luiza anunciou nesta segunda-feira, 21, a compra de 100% da fintech Hub, fundada pelo empresário Carlos Wizard, por 290 milhões de reais. A aquisição é mais um passo na complementação da estratégia de negócios do Magalu ao permitir que os clientes — pessoas físicas e jurídicas — contem com soluções de produtos e serviços financeiros de forma totalmente integrada ao SuperApp Magalu. Em entrevista exclusiva à EXAME, o presidente da companhia Frederico Trajano detalhou a estratégia da aquisição.

É hora de seguir investindo em ações de varejo? Monte a melhor estratégia com os especialistas da EXAME Research 

Como a aquisição faz parte da estratégia de negócios do Magalu? 

O objetivo principal da aquisição é adiantar o mapa de desenvolvimento da companhia. Anteriormente lançamos plataformas de pagamentos que tinham dois subsistemas: um para pessoa jurídica que antecipa recebíveis e faz empréstimos, e outro para o cliente final com funcionalidades como consulta de saldo, cashback e mais. Agora, vamos ser uma instituição de pagamentos, conseguir ter contas vinculadas, pagamentos via PIX e depender menos de outras instituições, como os bancos ou empresas facilitadoras.

Isto, na prática, reduz a fricção da pessoa física e jurídica com os nossos serviços e produtos. A Hub é também uma emissora de cartão pré-pago. Os clientes não poderão então fazer retirada em bancos 24 horas, e ter outras opções. Além disso, há uma licença de adquirência que ajuda a explorar um caminho. A aquisição traz a expertise de 250 pessoas, sendo 100 delas desenvolvedoras.

A intenção então é que, cada vez mais, os brasileiros usem o SuperApp para tudo? De compras no Magalu a delivery de comida e pagamentos?

Um dos objetivos estratégicos é digitalizar o Brasil, o que significa digitalizar o consumidor e também as pequenas e médias varejistas, sendo um dos pilares o SuperApp. Se você ver os modelos de negócios como do chinês Taobao, do Grupo Alibaba, o pagamento é o elo de ligação dos negócios. Para a pessoa física que utilizar nosso serviço será possível ter benefícios exclusivos como desconto e cashback, além disso, ela terá em um único aplicativo uma experiência sem fricção para diferentes categorias de produtos e compras.

E quais os benefícios para a pessoa jurídica?

Temos 45 mil vendedores no marketplace, versus 20 mil no ano passado. Isso significa um número relevante de pessoas que já movimentaram 4 bilhões de reais em antecipação de recebíveis e passará a ter outros serviços como o cartão pré-pago e outras variáveis de pagamentos, como a partir da licença de adquirência que a Hub tem e ainda não está ativa.

É muito importante pensar na pessoa jurídica porque o e-commerce ainda tem uma penetração muito baixa no Brasil, que se digitaliza de uma maneira acelerada na pandemia. Enquanto na China a penetração é de 30% aqui é de apenas 10%. As onze aquisições deste ano plantam diversas sementes neste sentido.

 A Hub já possui mais de 4 milhões de contas, como elas serão trabalhadas?

São 4 milhões de contas digitais, além de cartões pré-pagos que movimentaram 6,6 bilhões de reais nos últimos 12 meses. Esse fluxo de transações gerou receita bruta não auditada de 159 milhões de reais. A tendência agora é que esse volume aumente com mais opções para sacar o dinheiro, depositar e ter outras integrações. Vimos este movimento acontecer em outros países com empresas que não vieram do sistema financeiro, assim como o Magalu, e vamos trabalhar com instituições parceiras reguladas, como a LuizaCred.

Os clientes da Hub são empresas como a 99. Assim como fizemos com outras aquisições, vamos continuar com os serviços para os clientes. Um exemplo é a Amazon que continua anunciando no Canal Tech, mas obviamente o maior cliente da Hub será o próprio Magalu.

Por que a Hub é a empresa ideal entre tantas fintechs?

Analisamos muitas fintechs há algum tempo e isso se intensificou neste ano. Tivemos critérios como a boa estratégia de pagamentos, tecnologia própria forte, pessoas e clientes ativos. Neste caso os fundadores já tinham saído da empresa e, coincidentemente já havíamos contratado um deles, o Robson Dantas, como nosso head de pagamentos no começo do ano. Ele pode nos ajudar a entender todos os detalhes do negócio porque não havia vínculo e conflito de interesses. Então, concluímos que a aquisição da Hub é um excelente negócio ao ponto de ser a nossa maior aquisição do ano, no valor de 290 milhões de reais.