Negócios
Acompanhe:

Gerdau lucra R$ 5,59 bilhões no 3º trimestre, salto de 604%

A empresa disse ainda que seu lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado avançou 228% no período, a 7,023 bilhões de reais

Gerdau: A siderúrgica foi eleita a empresa do ano na 48ª edição das Melhores e Maiores, a principal premiação empresarial do país (Divulgação/Divulgação)

Gerdau: A siderúrgica foi eleita a empresa do ano na 48ª edição das Melhores e Maiores, a principal premiação empresarial do país (Divulgação/Divulgação)

D
Da redação, com agências

27 de outubro de 2021, 09h53

A siderúrgica Gerdau informou nesta quarta-feira que seu lucro líquido atingiu 5,59 bilhões de reais no terceiro trimestre, salto de 604% em relação a igual período do ano passado, impulsionado por um forte desempenho da construção nos mercados norte-americano e brasileiro e por níveis historicamente elevados dos preços globais do aço.

A empresa disse ainda que seu lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado avançou 228% no período, a 7,023 bilhões de reais. A produção de aço da Gerdau no terceiro trimestre cresceu 7%, enquanto as vendas avançaram 2%, para 3,25 milhões de toneladas, superiores às registradas no mesmo período de 2020.

A receita líquida atingiu R$ 21,317 bilhões no trimestre, alta de 74% na comparação com o mesmo período de 2020.

Segundo a empresa, os resultados refletem o cenário de alta demanda no setor de aço em todos os países que a companhia atua, somado à capacidade das equipes em absorverem as oportunidades trazidas pelo mercado.

A Gerdau foi eleita a empresa do ano na 48ª edição das Melhores e Maiores, a principal premiação empresarial do país. Entre os fatores que a levaram a tal reconhecimento estiveram o resultado do segundo trimestre, o melhor em seus 120 anos de história, e os investimentos feitos pela Gerdau Next, braço de novos negócios da empresa. 

Até 2030, 20% das receitas da Gerdau deverão vir de startups ligadas ao ecossistema do negócio. Na frente ESG, 30% dos cargos de liderança são ocupados por negros — uma fatia elevada no Brasil.