Lucro do BNDES cresce 3,1% e atinge R$ 6,392 bilhões em 2016

BNDES informou que houve redução do saldo de operações na carteira de crédito devido ao desaquecimento da economia

Rio - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou lucro líquido de R$ 6,392 bilhões em 2016, alta de 3,1% ante 2015, quando o lucro líquido ficou em R$ 6,199 bilhões, conforme balanço divulgado nesta sexta-feira, 10.

A receita da intermediação financeira encolheu 38%, caindo de R$ 105,342 bilhões em 2015 para R$ 65,275 bilhões em 2016.

Com isso, o resultado bruto da intermediação financeira caiu 10,7%, para R$ 16,690 bilhões, contra os R$ 18,691 bilhões registrados em 2015.

Nas notas explicativas, ao citar os itens significativos que afetaram a demonstração de resultados de 2016, mas sem mencionar valores, o BNDES diz que houve "redução do saldo da carteira de operações de crédito e repasses interfinanceiros, reflexo do maior volume de recebimentos (liquidações) em 2016, superando as liberações de crédito, em razão do desaquecimento da economia e consequente redução da demanda de recursos para novos investimentos".

Teve impacto sobre o resultado de intermediação financeira a perda de R$ 9,156 bilhões com provisões para risco de crédito, valor 524% acima do R$ 1,468 bilhão de 2015.

O BNDES é credor em R$ 3,3 bilhões da operadores de telefonia Oi, em recuperação judicial desde o ano passado.

Nas notas explicativas, o BNDES diz que a alta na despesa com provisão para créditos de liquidação duvidosa refletiu "o alinhamento da carteira de crédito e repasses do BNDES em meio a atual conjuntura da economia nacional, marcada pela piora do risco setorial e pelo aumento da inadimplência global".

Segundo o BNDES, a carteira de participações societárias cresceu, "reflexo principalmente da valorização da carteira de ações classificadas como disponíveis para venda", mas o resultado negativo com participações societárias ficou negativo, "reflexo principalmente da constituição de provisão para perdas em investimentos". Em 2016, a constituição de provisão para perdas em investimentos foi de R$ 5,317 bilhões, contra R$ 9,736 bilhões em 2015.

Ainda conforme as notas explicativas, houve em 2016 redução das obrigações por empréstimos e repasses, "decorrentes principalmente da liquidação antecipada de repasses com o Tesouro Nacional".

Ano passado, o BNDES concluiu a devolução de R$ 100 bilhões em empréstimos do Tesouro, uma das medidas do Ministério da Fazenda para reduzir a dívida pública bruta.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.