Negócios

LG enfrentará novos problemas depois de prejuízo recorde

Seul - Para a LG Electronics, os celulares inteligentes não foram tão inteligentes. O prejuízo operacional recorde que a empresa sul-coreana registrou em seu mais recente trimestre demonstra que ela enfrentará uma batalha árdua para reverter os problemas de suas operações de celulares, aumentando a pressão sobre seu novo presidente-executivo. Assim como a Nokia, líder […]

Homem passa por cartaz com o slogan da LG: a vida está dura para os sul-coreanos (Ethan Miller/Getty Images)

Homem passa por cartaz com o slogan da LG: a vida está dura para os sul-coreanos (Ethan Miller/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de outubro de 2010 às 09h51.

Seul - Para a LG Electronics, os celulares inteligentes não foram tão inteligentes.

O prejuízo operacional recorde que a empresa sul-coreana registrou em seu mais recente trimestre demonstra que ela enfrentará uma batalha árdua para reverter os problemas de suas operações de celulares, aumentando a pressão sobre seu novo presidente-executivo.

Assim como a Nokia, líder no mercado de celulares, a LG vem sendo derrotada no disputado mas lucrativo segmento de celulares inteligentes (smartphones) pela Apple e pela segunda colocada no setor, a rival Samsung Electronics.

A intensificação na concorrência de preços entre fabricantes de TVs de telas planas, a exemplo da Sony e Panasonic, no período que antecede o Natal, também prejudica a LG, a segunda maior marca mundial de televisores.

"Creio que o mais sério problema da estratégia da LG para os smartphones foi ter avaliado o mercado erroneamente e reagido tarde demais. Mas como está investindo consideravelmente em pesquisa e desenvolvimento nessa área, a LG provavelmente conseguirá recuperar seu atraso no negócio", disse Nam Dae-jong, analista da SK Securities.

Os resultados foram os primeiros anunciados desde que Koo Bon-joon, membro da família fundadora da LG, assumiu a presidência executiva da principal unidade do grupo, este mês, com a missão de reverter a situação na deficitária divisão de celulares e restaurar o crescimento das vendas.

Koo substituiu os executivos que comandavam as problemáticas divisões de celulares e televisores, e impôs a regra de que todas as reuniões internas devem começar com os presentes gritando o lema "vamos garantir o primeiro lugar!".

A empresa registrou prejuízo operacional recorde de 185 bilhões de wons (164 milhões de dólares) no terceiro trimestre, ante 851 bilhões de wons de lucro no mesmo período em 2009.

Acompanhe tudo sobre:CelularesConcorrênciaEmpresasEmpresas coreanasempresas-de-tecnologiaIndústriaIndústria eletroeletrônicaIndústrias em geralLGsetor-eletroeletronico

Mais de Negócios

Com nova fábrica, Gelato Borelli vai triplicar produção e planeja faturar R$ 360 milhões em 2024

A aposta de R$ 500 milhões de uma varejista gaúcha para fazer o maior complexo logístico do RS

'Jurassic Park' brasileiro anuncia novos parques depois de crescer 893% em 2023

Das dívidas aos bilhões: como a Marvel fugiu do colapso com uma estratégia financeira que mudou tudo

Mais na Exame