Latam pede recuperação nos EUA e reforça dificuldade das aéreas

Companhia afirmou que estava "saudável" antes da pandemia, e anunciou aporte de 900 milhões de dólares de seus investidores

A companhia aérea Latam confirmou as expectativas e entrou com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos na madrugada desta terça-feira. Estão incluídas no pedido o grupo Latam e suas afiliadas no Chile, Peru, Colômbia, Equador e Estados Unidos -- Brasil, Argentina e Paraguai ficaram de fora.

Segundo comunicado, a companhia inicia o processo de reorganização e reestruturação voluntária de sua dívida com o apoio das famílias Cueto (do Chile) e Amaro (do Brasil) e da Qatar Airways, entre os maiores acionistas da companhia, que junto se comprometeram com financiamento de 900 milhões de dólares. O grupo tem, ainda segundo o comunicado, 1,3 bilhão de dólares em caixa.

"Diante dos efeitos da covid-19 no setor mundial de aviação, esse processo de reorganização oferece à Latam a oportunidade de trabalhar com os credores do grupo e outras partes interessadas para reduzir sua dívida, acessar novas fontes de financiamento e continuar operando", afirmou a empresa.

Mundo afora a demanda por voos caiu mais de 90% na pandemia. Algumas empresas, como a britânica Flybe, já fecharam. Outra britânica, a RyanAir, anunciou queda de 99,5% no número de voos. Nos Estados Unidos, as sete maiores empresas aéreas valem menos que a startup de videoconferência Zoom.

A franco-holandesa Air France-KLM tem hoje reunião com investidores para apresentar um plano de retomada. A alemã Lufthansa acertou um pacote de resgate de 9,8 bilhões de dólares com o governo em troca de 20% das ações da empresa.

No Brasil, Azul, Gol e a própria Latam esperam um pacote de resgate do governo que pode chegar a 4 bilhões de reais. Para todas elas, a retomada aos negócios deve ser com assentos reduzidos e com medidas extras de segurança, o que tende a ampliar custos. A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, sigla em inglês) prevê que a demanda por voos internacionais só volte aos patamares anteriores à pandemia em 2024.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.