JD.com, a maior varejista que você não conhece, faz IPO de R$ 20 bilhões

Varejista tem como sócios Alphabet e Walmart, tem mais de 300 milhões de clientes e cresceu 10% no primeiro trimestre mesmo com a pandemia do coronavírus

A bolsa de Hong Kong teve uma abertura de capital pra lá de simbólica nesta quinta-feira. A JD.com, um dos gigantes de comércio eletrônico na China, levantou 3,9 bilhões de dólares em seu IPO, a oferta pública inicial de ações.

A JD.com se junta ao varejista Alibaba e a NetEase, de games, outras duas grandes companhias a listar ações em Hong Kong e em Nova York. A Jd.com já tinha ações listadas na Nasdaq, a bolsa americana especializada em tecnologia, desde 2014. Outra gigante eletrônica chinesa, a Tencent, dona do aplicativo WeChat, está listada apenas na China.

A oferta de hoje é simbólica por dois motivos. Primeiro, porque devolve os holofotes a Hong Kong, principal centro financeiro da Ásia e que está com o futuro em aberto por causa de crescentes ameaças de Pequim. O governo chinês tem aprovado leis cada vez mais restritivas que colocam em xeque a liberdade de expressão e de negócios na ilha que foi colônia britânica até 1997. O IPO da JD.com dá novo impulso a Hong Kong, mas também mostra o receio de depender do mercado americano, onde há uma crescente pressão do governo sobre empresas de tecnologia chinesas. Há até um movimento para forçar a deslistagem de empresas chinesas nos Estados Unidos.

O segundo motivo a marcar o simbolismo da oferta é mostrar a força do varejo online chinês com a pandemia do coronavírus. A JD.com tem mais de 300 milhões de clientes ativos, fatura mais de 25 bilhões de dólares por ano e, agora, passa a valer mais de 60 bilhões de dólares. Entre seus acionistas estão a Tencent, e duas gigantes americanas: Walmart e Alphabet, dona do Google.

A JD.com cresceu 26,6% em 2019 e, mesmo com a pandemia, superou a meta de crescer mais de 10% no primeiro trimestre. Suas ações na Nasdaq estão na sua máxima histórica. A grande força da companhia está em cidades do interior da China, onde estão 70% de seus clientes -- a companhia tem 700 centros de distribuição espalhados pelo país.

As ações da varejista subiram 3,5% hoje, em Hong Kong.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.