Jack Ma, do Alibaba, é o homem mais rico da Ásia

O fundador da Alibaba, a maior empresa de comércio eletrônico da China, ultrapassou magnata imobiliário e portuário que mantinha o primeiro lugar na região

Hong Kong - Jack Ma se converteu na pessoa mais rica da Ásia.

O fundador da Alibaba Group Holding Ltd., a maior empresa de comércio eletrônico da China, ultrapassou Li Ka-shing, o magnata imobiliário e portuário de Hong Kong que mantinha o primeiro lugar na região desde 5 de abril de 2012, segundo o Bloomberg Billionaires Index.

“Eu só posso me sentir feliz quando jovens da China se saem bem”, disse Li, 86, por meio da sua porta-voz em Hong Kong. Um porta-voz da Alibaba não quis comentar sobre a fortuna líquida de Ma.

Ma, 50, um ex-professor de inglês que fundou a empresa com sede em Hangzhou, China, no seu apartamento em 1999, adicionou US$ 25 bilhões à sua fortuna neste ano graças a um crescimento de 54 por cento das ações da sua empresa desde sua abertura de capital em setembro. Ele possui uma fortuna de US$ 28,6 bilhões, segundo o ranking da Bloomberg. A fortuna líquida de Li é de US$ 28,3 bilhões.

“Os bilionários na China estão aumentando sua fortuna mais rapidamente devido a que a economia do país ainda está se desenvolvendo, com muita margem para crescer”, disse Francis Ying, analista da Yuanta Research. “Hong Kong já é um mercado maduro”.

O valor de mercado de US$ 259 bilhões da Alibaba a torna maior do que a Amazon.com Inc. e a eBay Inc. juntas, e na nona empresa mais valiosa do índice Standard Poor’s 500.

Mais de metade da riqueza de Ma vem da sua participação de 6,3 por cento na Alibaba, cotada em US$ 16,3 bilhões. Ele também controla quase metade da unidade financeira, de capital fechado, e é dono do Alipay, um serviço similar ao PayPal.

Abertura de capital

Espera-se que o interesse de Ma na empresa de pagamentos on-line se dilua nos próximos três a cinco anos com novos investidores ou a distribuição de ações entre funcionários. Ma não obterá benefícios econômicos com a diluição, disse a Alibaba.

A Alibaba arrecadou o recorde de US$ 25 bilhões na sua abertura, feita em 18 de setembro, vendendo ações a US$ 68 por ação. Os recibos depositários americanos subiram 1,05 por cento para US$ 104,97 no fechamento em Nova York.

“Observando o total do espaço de internet da China como um conjunto, definitivamente ele está ganhando significância”, disse Tony Chu, gerente de recursos da RS Investment, que supervisiona cerca de US$ 22,3 bilhões. A Alibaba se transformou em “uma ação global que não pode ser ignorada”, disse ele.

A fortuna de Li, de Hong Kong, quem controla a Cheung Kong Holdings Ltd., uma das três maiores desenvolvedoras imobiliárias do mundo, caiu US$ 1,9 bilhão neste ano, segundo o ranking da Bloomberg. As ações da empresa imobiliária subiram neste ano, ao passo que alguns de seus outros investimentos, entre eles a Husky Energy Inc., declinaram.

Flores de plástico

O bilionário começou com uma fábrica de flores de plástico aberta por ele depois da Segunda Guerra Mundial. Ele começou a investir no mercado imobiliário de Hong Kong em 1967, depois que distúrbios causados pela Revolução Cultural da China deprimiram os preços, e expandiu seus investimentos para incluir propriedades, portos e telecomunicações.

Li é apelidado “Super-Homem” pela mídia local pelas suas proezas como investidor. Ele anteviu em 2007 que a bolha do mercado acionário da China estouraria e previu em 2009 o subsequente rali dos preços de casas em Hong Kong.

Ma, quem virou a pessoa mais rica da China em agosto, disse que ser o homem mais rico na segunda maior economia do mundo “é uma grande dor” em uma entrevista com a CNBC transmitida em 11 de novembro.

“Eu nunca pensei que seria nem quero ser”, disse ele.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.