Irmãos sócios da Avianca Holdings são presos em operação da Lava Jato

Operação investiga suposta fraude em licitação de R$ 857 milhões da Transpetro
Os irmãos Germán e José Efromovich são acionistas da Avianca Holdings, que não é citada nas investigações (Exame/Exame)
Os irmãos Germán e José Efromovich são acionistas da Avianca Holdings, que não é citada nas investigações (Exame/Exame)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 19/08/2020 11:29 | Última atualização em 19/08/2020 11:53Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Os irmãos Germán e José Efromovich, donos do estaleiro Eisa, foram presos preventivamente na manhã desta quarta-feira, 19, na Operação Navegar é Preciso, fase 72 da Lava Jato. Ambos são acionistas da Avianca Holdings, que não é citada nas investigações. Seis mandados de busca e apreensão também foram cumpridos pela Polícia Federal em Alagoas, no Rio e em São Paulo.

A PF, em cooperação com o Ministério Público Federal, deflagrou a operação para combater suposta fraude em licitação da Transpetro, subsidiária da Petrobras responsável pelo transporte de combustível e pela importação e exportação de petróleo e derivados, para compra e venda de navios.

A suspeita é que o estaleiro contratado por R$ 857 milhões para fornecer os navios pagou propina a um executivo da estatal, que não teve o nome divulgado. O prejuízo com a contratação, classificado pela PF como assombroso, é estimado em cerca de R$ 611 milhões.

Defesas

A reportagem busca contato com as defesas dos empresários citados. O espaço está aberto para manifestações.