• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

HTC fecha as portas no Brasil

A HTC vinha perdendo participação no mercado brasileiro há anos, desde que parou de produzir localmente
Smartphones da HTC: A baixa popularidade da marca junto aos brasileiros e o pequeno orçamento para ações de marketing locais atrapalharam (Divulgação)
Smartphones da HTC: A baixa popularidade da marca junto aos brasileiros e o pequeno orçamento para ações de marketing locais atrapalharam (Divulgação)
Por Fernando PaivaPublicado em 22/06/2012 16:54 | Última atualização em 22/06/2012 16:54Tempo de Leitura: 1 min de leitura

São Paulo - A fabricante asiática de celulares HTC vai encerrar sua operação no Brasil. Um comunicado foi enviado esta semana aos funcionários informando a notícia e a demissão coletiva. A empresa emprega poucas dezenas de pessoas no País.

A HTC vinha perdendo participação no mercado brasileiro há anos, desde que parou de produzir localmente. Sua maior barreira foram os altos preços, que lhe tiravam competitividade frente a concorrentes como Samsung, LG e Nokia. Outro problema foi o foco em um portfólio diminuto de smartphones, hoje composto por quatro modelos Android, incluindo três da recém-anunciada linha One, e o Ultimate, seu primeiro aparelho com o sistema operacional Windows Phone.

A baixa popularidade da marca junto aos brasileiros e o pequeno orçamento para ações de marketing locais também atrapalharam. Na maioria das operadoras, seu share em vendas vinha sendo insignificante. Nas pesquisas da Nielsen no Brasil, por exemplo, a HTC nem sequer era listada mais.

Apesar do mau desempenho nos últimos anos, o encerramento das atividades no Brasil surpreendeu algumas fontes do mercado, que esperavam uma retomada do crescimento da HTC no segundo semestre, com a chegada da linha One e planos para voltar a produzir localmente.