A página inicial está de cara nova Experimentar close button

GSK usou agências de viagens em subornos, diz polícia

Segundo a polícia, fabricante de remédios subornou funcionários e médicos por meio de agências de viagens durante seis anos

Pequim - A polícia chinesa acusou nesta segunda-feira a fabricante de remédios GlaxoSmithKline de subornar funcionários chineses e médicos por meio de agências de viagens durante seis anos para elevar ilegalmente suas vendas e os preços de seus medicamentos no país.

Desde 2007, a empresa transferiu cerca de 3 bilhões de iuanes (489 milhões de dólares) para mais de 700 agências de viagens e consultorias, disse Gao Fend, chefe de investigações de crimes econômicos no Ministério de Segurança Pública. Ele não deixou claro o quanto do total foi gasto em subornos.

Quatro executivos sêniores chineses da GlaxoSmithKline (GSK) foram detidos, acrescentou Gao, durante coletiva de imprensa.

Na semana passada o Ministério de Segurança Pública disse que executivos da GSK na China confessaram subornos e violações fiscais.

Representantes da GSK não estavam imediatamente disponíveis para comentários. A empresa disse anteriormente que não havia encontrado evidências de suborno ou corrupção na China, mas que iria cooperar com as autoridades.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também