Negócios

Glencore faz cortes na produção de carvão da Austrália

A Glencore afirmou também que irá demitir 80 por cento do pessoal restante na mina no Estado de Queensland no início do próximo ano


	Logo da Glencore: empresa é a maior exportadora de carvão térmico do mundo
 (Sebastian Derungs/AFP)

Logo da Glencore: empresa é a maior exportadora de carvão térmico do mundo (Sebastian Derungs/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de dezembro de 2015 às 09h24.

Sydney - A gigante de commodities Glencore informou que vai colocar em ociosidade a deficitária mina de carvão Collinsville, na Austrália, por três semanas a partir do final deste mês e que também vai restringir a produção do local no próximo ano, devido à deterioração dos preços do carvão térmico.

A Glencore afirmou também que irá demitir 80 por cento do pessoal restante na mina no Estado de Queensland no início do próximo ano, com a perda de 180 postos de trabalho, tendo já cortado 80 posições em maio.

Collinsville produziu 2,24 milhões de toneladas de carvão térmico, juntamente com alguns volumes de carvão metalúrgico em 2014, segundo dados da Glencore.

Maior exportadora de carvão térmico do mundo, a Glencore embarcou 38,8 milhões de toneladas a partir da Austrália nos primeiros nove meses de 2015.

A queda de 43 por cento dos preços do carvão térmico ao longo dos últimos 26 meses e um excesso de oferta têm contribuído para as perdas financeiras de Collinsville, disse a companhia.

A Glencore disse em fevereiro que iria reduzir a produção de carvão na Austrália em 15 por cento em 2015 para evitar a venda com um desconto em um mercado com excesso de oferta. (Por James Regan)

Acompanhe tudo sobre:AustráliaCommoditiesEmpresasEmpresas suíçasGlencoreGlencore XstrataPaíses ricos

Mais de Negócios

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Mais na Exame