Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Gigante alemã vai à falência após “inventar” R$ 11 bilhões

Escândalo fez Wirecard perder 90% do valor de mercado e levou seu ex-presidente à prisão

A gigante alemã de pagamentos Wiredcard é pouco conhecida no Brasil, mas nos últimos dias protagonizou um dos maiores escândalos contábeis do século. Nesta quinta-feira, após uma queda de 90% nas ações e de um ex-presidente ter sido preso, a companhia anunciou que pedirá insolvência. Na Alemanha, isso significa que a companhia pode continuar funcionando até encontrar um investidor disposto a adquirir a companhia.

A Wirecard valia 13 bilhões de euros até semana passada e era uma estrela no tradicional mercado alemão de tecnologia. Apesar de ser a maior economia da Europa, a Alemanha tem um mercado financeiro dominado por empresas tradicionais, como grandes montadoras, bancos e indústrias, e ainda tem uma economia menos digitalizada que países europeus como Suécia e Reino Unido.

Neste sentido, a queda da Wirecard é um baque que vai além dos limites da companhia. É a primeira empresa integrante do exclusivo índice Dax, que reúne as 30 maiores da bolsa de Frankfurt, em seus 32 anos de história.

A derrocada começou há uma semana, quando a empresa anunciou que estava faltando 1,9 bilhão de euros em seu caixa (11 bilhões de reais), o que a forçaria a renegociar com bancos e a interromper pagamentos. A inconsistência no balanço coloca em dúvidas o futuro do Wirecard Bank, uma subsidiária promissora no mercado financeiro alemão. No dia 19 de junho, o presidente e principal acionista da empresa, Markus Braun, se afastou em consenso com o conselho de administração. Quatro dias depois, ele foi preso por suspeitas de manipulação de mercado e, depois, liberado após pagar fiança de  milhões de euros.

Em 2018, no último balanço disponível, a Wirecard processou 125 bilhões de euros de pagamentos de cartões de crédito e débito com as bandeiras Visa e Mastercard, o que levou a um faturamento de 2 bilhões de euros. A companhia tinha mais de 250.000 empresas parceiras. Assim como em outras fraudes contábeis, a crise da Wirecard também coloca em escrutínio os auditores -- a companhia foi auditada pela EY durante a última década, como informa o jornal Financial Times.

Segundo uma auditoria especial da KPMG, até metade das vendas da Wirecard pode ter ter sido inventada. O foco da aparente fraude eram as operações internacionais da companhia com parceiros obscuros, que compensavam as perdas em outras 40 frentes de negócio domésticas da companhia.

O escândalo também pressiona o grupo japonês Softbank, um dos maiores investidores da Wirecard, com 1 bilhão de dólares em investimentos. Depois de perder bilhões em investimentos em companhias como WeWork e Uber, o Softbank, do bilionário Masayoshi Son, tem mais esse abacaxi para descascar.

Investidores, reguladores, auditores, executivos, parceiros e clientes -- a fila de afetados (e, potencialmente, envolvidos) no escândalo da Wirecard só faz crescer.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também