Fusão Liquigás-Ultragaz será julgada pelo Cade no dia 28

A operação entre as distribuidoras de gás é considerada complexa por causa da alta concentração de mercado em algumas regiões do País
Fusão: a tendência é que o Cade barre o negócio (Thinkstock/Thinkstock)
Fusão: a tendência é que o Cade barre o negócio (Thinkstock/Thinkstock)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 22/02/2018 11:13 | Última atualização em 22/02/2018 11:13Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Brasília - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vai julgar na próxima semana a operação de compra da Liquigás, empresa da Petrobras, pela Ultragaz, do Grupo Ultra, dono da rede de postos de combustíveis Ipiranga.

A pauta da sessão de julgamento da quarta-feira, 28, foi divulgada nesta quinta-feira, 22, no Diário Oficial da União (DOU). A sessão terá início às 10 horas.

Conforme o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) antecipou com fontes, a tendência é que o Cade barre o negócio entre Liquigás e Ultragaz, mas alguns conselheiros são favoráveis à aprovação do acordo, só que com fortes restrições.

A operação entre as distribuidoras de gás é considerada complexa por causa da alta concentração de mercado em algumas regiões do País.

O caso é importante tanto para a estatal - que está em processo de desinvestimentos de ativos não estratégicos - quanto para o Ultra, que se isolará na liderança com essa transação e já teve barrado outro importante negócio pelo órgão antitruste - a compra da rede de postos Ale pela Ipiranga, em agosto passado.

Pauta

A sessão de julgamento da quarta-feira ainda tem outros sete itens, dos quais um processo administrativo contra postos de combustíveis do Estado do Rio Grande do Norte, o ato de concentração entre Weg Equipamentos Elétricos e TGM e um processo administrativo contra a Associação Brasileira dos Exportadores de Cítricos (Abecitrus) e outras empresas do setor.