Negócios

Fundador da Avianca Brasil diz porta está aberta às rivais

"Não é como se alguém tenha batido na porta, é o oposto. O hotel abriu a porta, nós estamos esperando, não há pressa", disse


	Avianca: companhia divulgou que estava trabalhando com bancos de investimento
 (Wikicommons)

Avianca: companhia divulgou que estava trabalhando com bancos de investimento (Wikicommons)

DR

Da Redação

Publicado em 4 de junho de 2016 às 14h09.

São Paulo - As portas da companhia aérea sul-americana Avianca estão abertas a todas as oportunidades apresentadas pelos parceiros interessados ​​para ajudar a crescer quando as condições econômicas em sua região melhorar, afirmou o sócio co-fundador da Avianca Brasil neste sábado.

A Avianca divulgou na sexta-feira que estava trabalhando com bancos de investimento após a Reuters informar que o chinês HNA Group e as norte-americanas United Continental e Delta Air Lines estão interessadas em adquirir a Avianca Holdings e a Avianca Brasil.

"Este é um negócio muito intensivo em capital. Vamos estar abertos para as oportunidades", disse José Efromovich, em um evento em Zurique organizada pelo grupo de companhias aéreas internacionais Star Alliance.

A Avianca Holdings SA e Avianca Brasil são controladas pela Synergy Group, do seu irmão, o empresário nascido na Bolívia Germán Efromovich.

José Efromovich disse que a Avianca Colômbia não está necessariamente à venda, mas a porta está aberta a todos para as duas companhias aéreas, quer companhias aéreas parceiras ou outros.

"Não é como se alguém tenha batido na porta, é o oposto. O hotel abriu a porta, nós estamos esperando, não há pressa", disse ele a repórteres.

Acompanhe tudo sobre:AviaçãoAviancacompanhias-aereasDelta Air LinesEmpresasEmpresas americanasFusões e AquisiçõesUnited Airlines

Mais de Negócios

Sob nova gestão, iFood prepara investimentos em startups e mira verticais de mercado e de benefícios

Colaboração entre Dell e Microsoft facilita a vida de empresas na gestão do ambiente multicloud

EXCLUSIVO: novo fundo de investimento, Moni Capital, do Grupo ND, tem R$ 80 milhões para startups

Após cair 10% em maio, PMEs gaúchas voltam a crescer em junho e começam a se recuperar da enchente

Mais na Exame