A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Retomada do setor vai demorar mais do que 2016, diz Ford

Segundo vice-presidente da montadora, expectativa é de que o mercado brasileiro assuma em 2015 "volumes similares" ao deste ano

São Paulo - O vice-presidente da Ford, Rogelio Golfarb, afirmou nesta terça-feira, 14, que a previsão da montadora é de que o volume do mercado brasileiro de automóveis termine 2014 entre 3,4 milhões e 3,5 milhões de unidades.

Segundo ele, em 2015, a expectativa é de que o mercado assuma "volumes similares" ao deste ano.

Durante palestra no Congresso Perspectivas 2015, o executivo previu ainda que um novo ciclo de crescimento da indústria automobilística vai demorar "um pouco mais do que 2016" para começar.

Golfarb destacou que, no acumulado do ano até setembro, o nível de estoques das montadoras no Brasil tem caído em uma intensidade menor (-3,9%) do que a queda na produção (-16,8%) e exportações (-38,3%).

Segundo ele, isso "significa que, apesar de tudo que tem sido feito, as medidas ainda não são suficientes para gerenciar os estoques".

De janeiro a setembro deste ano, o volume total do estoque era de 404,5 mil unidades. "Deveríamos trabalhar com níveis de estoques abaixo do atual", defendeu.

Sobre a crise na Argentina, o vice-presidente da Ford ressaltou que tanto no país vizinho quanto no Brasil a montadora tem realizado uma "busca insana" de eficiência e de redução de custo.

"A gente precisa fazer mais com menos todos os anos, sem afetar aquilo que vai para o consumidor, sem deteriorar a qualidade, o conteúdo e a modernidade", afirmou.

De acordo com ele, a grande vantagem da Ford é a comunicação, por meio da qual "você consegue suavizar as curvas de quedas, porque divide as quedas aqui e na Argentina".

Golfarb afirmou que a indústria automobilística brasileira e a argentina tem um excesso da capacidade instalada, atualmente de 45%, considerando os dois países, o que deve provocar um aumento maior do custo fixo por unidade.

Segundo previsões da companhia, esse excesso de capacidade deve crescer ainda mais nos próximos anos: para 53% em 2015; reduzindo para 50% em 2016; 45% em 2017 e 41% em 2018.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também