A página inicial está de cara nova Experimentar close button

O cerco se fecha contra as fake news sobre vacinas nas redes sociais

Governo de Joe Biden, congressistas e ativistas apertam o cerco contra as empresas de tecnologia para elevar esforços contra grupos de desinformação sobre o uso de vacinas

CAPA DO DIA_4_home_facebook_vacinas_tech_redes_sociais_antivax Manifestante pede ação contra as fake news sobre vacinação: cerco às grandes empresas de tecnologia está aumentando

Manifestante pede ação contra as fake news sobre vacinação: cerco às grandes empresas de tecnologia está aumentando (Caroline Brehman/Getty Images)

Daniel Zuidijk, da Bloomberg Businessweek

À medida que a pandemia avança, as mídias sociais também não estão muito saudáveis. Uma sucessão de curas duvidosas, teorias infundadas e deslavadas mentiras antivacinação continuam a se espalhar em grupos do Facebook, vídeos no YouTube, comentários no Instagram, hashtags no TikTok e tuítes no Twitter. Vários membros do Congresso foram suspensos do Twitter ou do YouTube por postarem informações incorretas na época em que o presidente Joe Biden se manifestou contra a tendência das plataformas de mídia social para divulgar informações falsas.

“Elas estão matando pessoas”, disse Biden no mês passado, respondendo à pergunta de um repórter sobre o papel de “plataformas como o Facebook” na disseminação de desinformação relacionada à Covid. Em resposta, o Facebook citou um estudo realizado com pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon que encontrou crescimento na "aceitação da vacina" entre seus usuários ao longo de 2021. (A empresa também criticou o presidente por se concentrar no que é chamado de relativamente poucos e maus protagonistas, como os proeminentes influenciadores “antivacinas” que a Casa Branca apelidou de Bando da Desinformação) Biden adotou uma abordagem menos confrontadora diretamente alguns dias depois.

No entanto, apesar de um novo nível de franqueza, o debate em torno da desinformação antivacina não avançou muito desde os primeiros bloqueios da pandemia. Frequentemente, a questão é enquadrada como de moderação  se as redes sociais apenas aplicassem suas próprias regras, elas baniriam os maiores fornecedores de inverdades e tudo estaria bem. “Esses padrões da comunidade existem por um motivo”, diz Imran Ahmed, diretor executivo do Centro de Combate ao Ódio Digital, organização sem fins lucrativos.

'Muito pouco para significar alguma coisa'

O volume de moderação também é a principal métrica citada pelas próprias empresas de internet. Em sua resposta ao comentário de Biden sobre "estão matando pessoas" em julho, o Facebook disse que removeu mais de 18 milhões de exemplos de desinformação sobre o Covid-19 e rotulou e enterrou mais de 167 milhões de peças de conteúdo relacionado à pandemia. Em uma postagem no blog de 25 de agosto, o YouTube disse que removeu pelo menos 1 milhão de vídeos relacionados a “informações perigosas sobre o coronavírus”.

Claro, isso não é muito para um serviço com bilhões de usuários. “Acho que sempre que estamos falando em nível de moderação, estamos falhando”, disse Angelo Carusone, presidente e CEO da Media Matters for America. “Muito pouco para significar alguma coisa.” A Media Matters documentou recentemente como os usuários do Facebook curtiram mais de 90 milhões de vezes um único vídeo feito em uma reunião do conselho escolar de Indiana questionando a eficácia das vacinas e máscaras. No momento em que este artigo foi publicado, várias cópias do vídeo que a equipe de Carusone rastreou estavam acessíveis no Facebook e no YouTube. E sim, eles estão longe de ser os únicos vídeos desse tipo em cada serviço.

Embora a redução do fornecimento geral de informações incorretas nas redes sociais seja importante, é mais importante que os sites parem de alimentar artificialmente a demanda. Isso significa revisar drasticamente seus mecanismos de recomendação altamente eficazes para punir os fornecedores de desinformação por mentir, em vez de recompensá-los por sua habilidade em obter e prender a atenção dos espectadores. Tarde demais, isso está se tornando um denominador comum entre os governos e também entre os cães de guarda.

“A rápida disseminação da desinformação online é potencialmente alimentada pelos algoritmos que sustentam as plataformas de mídia social”, disse o Escritório Parlamentar de Ciência e Tecnologia do Reino Unido em uma postagem em seu site. A União Europeia está avaliando propostas que exigiriam que as empresas de mídia social divulgassem mais sobre como funcionam esses algoritmos.

Nomes esquisitos para evitar expulsão das redes

As grandes plataformas novamente dizem que adotam a limitação de algoritmos ao alcance de informações ruins, mas a curva de aprendizado tem sido íngreme. Os antivacina são apenas uma das várias comunidades marginais na Internet que se tornaram mais do que adeptas de jogar whack-a-mole (esmague a toupeira). A NBC News relatou recentemente como uma seleção de grupos antivacina no Facebook evitou o corte ao se renomearem como “Festas para Dançar”. Para acompanhar, quanto mais para se manter atualizadas, as plataformas sociais precisariam investir significativamente na aplicação de lições de moderadores experientes, teóricos da informação, criptógrafos e ex-funcionários que têm falado sobre as falhas das empresas nesta área.

Os senadores americanos Amy Klobuchar (Democrata de Minnesotta) e Ben Ray Luján (Democrata do Novo México) apresentaram um projeto de lei que suspenderia a Seção 230 o escudo legal de longa data para sites que hospedam conversas de outras pessoas para redes sociais encontradas aumentando as conspirações antivacina. “Por muito tempo, as plataformas online não fizeram o suficiente para proteger a saúde dos americanos”, disse Klobuchar em um comunicado. “Esta legislação responsabilizará as plataformas online pela disseminação da desinformação relacionada à saúde”.

Defensores dessas reformas tendem a se sentir menos confortáveis quando se trata de veículos conservadores que se assemelham mais à imprensa livre tradicional, como a Fox News e as rádios. Clipes dessas fontes questionando ou negando a utilidade das vacinas da Covid continuam a encontrar um amplo público nas redes sociais. Não obstante, é sempre aconselhável evitar dar aos governos amplo poder para censurar a imprensa, diz Philip Mai, codiretor do Laboratório de Mídia Social da Universidade de Ryerson, em Toronto. “Se você olhar para as leis de desinformação que foram aprovadas nos últimos quatro anos, elas acabam sendo usadas pelo partido no poder para se manter no poder e prender dissidentes”, diz ele.

Reduzir os incentivos para promover o ceticismo sobre a vacina, diz Mai, significa seguir o dinheiro além das redes sociais. “Para muitas dessas pessoas, é uma vigarice”, diz ele. “Elas não se importam com o que estão vendendo, contanto que o dinheiro continue entrando.” Os sites de comércio eletrônico podem ser um bom lugar para começar.

A Bloomberg Businessweek encontrou facilmente produtos antivacina como livros, camisetas e até máscaras na Amazon, na Etsy e em alguns sites de crowdfunding. A Apple removeu o Unjected, aplicativo de namoro para pessoas antivacina, de sua loja de aplicativos no mês passado, mas o aplicativo continua no equivalente do Android, o Google Play, onde sua imagem de banner promove alegações infundadas sobre as vacinas contra o Covid.

Nenhuma dessas estratégias será uma panaceia, especialmente neste momento. Todos elas precisam ser experimentadas em combinação, de boa fé e com sinceridade. Antes do retorno da temporada de férias e do inverno, provavelmente trazendo outro surto de casos de Covid e a onda inevitável de desinformação que agora vem junto, ainda temos a chance de mudar a história para tornar nossas redes sociais mais saudáveis e também nós mesmos.

  • Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também