• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Esta empresa investe em projetos de agricultura no deserto e espaço

O Escritório de Investimentos de Abu Dhabi (ADIO, na sigla em inglês) vai investir cerca de US$ 41 milhões para desenvolver tecnologias
 (Getty Images/Jairo Backes)
(Getty Images/Jairo Backes)
Por Marina FilippePublicado em 10/11/2020 16:47 | Última atualização em 10/11/2020 16:47Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O Escritório de Investimentos de Abu Dhabi (ADIO, na sigla em inglês) vai investir cerca de US$ 41 milhões com outras empresas para desenvolver tecnologias para a produção de alimentos em condições áridas. As parcerias incluem um projeto de estufa focado no cultivo de frutas e legumes com menos água. A ADIO também vai trabalhar com uma empresa que usa a Estação Espacial Internacional para pesquisar a produção de alimentos no espaço e em climas extremos na Terra.

A pandemia levou muitos países a repensarem formas de alimentar a população. Países ricos em petróleo, mas com escassez de água, como os Emirados Árabes Unidos - que importam até 90% dos alimentos -, buscam impulsionar a produção doméstica e investir na agricultura no exterior desde a crise alimentar há uma década. A crise de coronavírus agora acelera esses planos.

“O que 2020 trouxe à tona é a necessidade de melhorar a autossuficiência, de ser mais eficientes com os recursos de que dispomos”, disse Tariq Bin Hendi, diretor-geral da ADIO, em entrevista. “Não se trata apenas de cultivar lavouras, estamos analisando isso em todo o ecossistema da semente ao prato da agtech.”

Neste ano, os Emirados Árabes Unidos anunciaram um projeto de cultivo de arroz no deserto e importaram 4,5 mil vacas leiteiras do Uruguai.

Abu Dhabi concederá incentivos financeiros e não financeiros para expandir as operações das empresas no emirado. A FreshToHome Foods traz sua experiência em piscicultura, enquanto a Pure Harvest Smart Farms, que já opera estufas nos Emirados Árabes Unidos, investirá em inteligência artificial, cultivo autônomo e robótica em novas fazendas em Al Ain, uma cidade oásis perto da fronteira com Omã.

A NanoRacks vai abrir um centro comercial de pesquisa espacial em Abu Dhabi para desenvolver tecnologia para a agricultura no deserto e exploração espacial de longo prazo.

Os gastos se somam a um investimento de US$ 100 milhões no início deste ano para incentivar agtechs a construir centros de pesquisa e desenvolvimento em Abu Dhabi, o que atraiu empresas de agricultura vertical como a AeroFarms.