Energisa viabiliza crédito de R$ 10 milhões para pequenas empresas

Em parceria com empresas e entidades, a companhia pretende facilitar o acesso de empreendedores de Minas Gerais a capital de giro

A Energisa, grupo de energia com sede em Minas Gerais, viabilizou crédito de 10 milhões de reais para micro e pequenas empresas do estado. O objetivo é ampliar o acesso de empreendedores a recursos para capital de giro em meio à pandemia do novo coronavírus.

O projeto nasceu do movimento Energia do Bem, liderado pela Energisa juntamente com 12 parceiros para viabilizar ações emergenciais na crise atual. A elétrica doou 1,9 milhão de reais à iniciativa Estímulo 2020, que oferece crédito barato e facilitado a micro e pequenas empresas de Minas Gerais.

Para cada real doado, a cooperativa de crédito Sicoob Credfiemg (mantida pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais) aplica mais 4 reais. Lançado em junho, o projeto está disponível para as 77 cidades atendidas pela Energisa na Zona da Mata e no Sul do estado.

“É dinheiro na veia para o setor mais afetado na pandemia e que mais emprega no país. A recuperação da economia brasileira vai ser mais lenta e desigual se estas empresas não sobreviverem”, afirma Ricardo Botelho, presidente da Energisa, em entrevista à EXAME.

O executivo reforça que o projeto foi montado com o apoio de vários parceiros, inclusive pro bono (não remunerado), de empresas que apoiaram o projeto por meio de tecnologias de análise de crédito. A meta é fazer com que todo o processo seja rápido e facilitado. “A grande dificuldade das linhas de crédito disponíveis, hoje, é que os recursos não chegam à outra ponta com agilidade. Tem que ser rápido e digital.”

O pedido deve ser submetido no site da iniciativa Estímulo 2020 de Minas Gerais. A plataforma de empréstimo é digital e o crédito poderá ser acessado no valor equivalente a até um mês de faturamento da empresa.

Os juros são de 0,53% ao mês e 6,55% ao ano, com carência de 3 meses e pagamento em até 15 vezes. Serão atendidas empresas com no mínimo dois anos de atividade, bom histórico e faturamento anual entre 360 mil e 4,8 milhões de reais.

Segundo Botelho, o programa também contempla educação financeira. “Se as micro e pequenas empresas não tiverem condições de operar, o país não vai retomar.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.