Negócios

Empresas alemãs perdem milhões de euros com "fraude do CEO"

O golpe se utiliza de informações obtidas por meio de redes sociais e sites corporativos para convencer funcionários de contabilidade a fazer transferências

Empresas: o golpe já custou milhões de euros a empresas nos últimos meses (Daniel Mihailescu/AFP)

Empresas: o golpe já custou milhões de euros a empresas nos últimos meses (Daniel Mihailescu/AFP)

R

Reuters

Publicado em 10 de julho de 2017 às 13h21.

Última atualização em 10 de julho de 2017 às 17h22.

Berlim - Empresas alemãs perderam milhões de euros para o crime organizado em um golpe apelidado de "fraude do CEO" que usa falsos memorandos de altos executivos para convencer funcionários de contabilidade à transferir fundos, disse nesta segunda-feira a agência federal de segurança cibernética da Alemanha (BSI).

A agência BSI disse que as autoridades que investigam a nova fraude receberam uma lista de 5 mil alvos potenciais, e notificaram as empresas envolvidas.

Organizações criminosas estão usando informações que conseguem em redes sociais, sites corporativos, sites de empregos e até ligações para as companhias para falsificar as informações de contato de altos executivos.

A BSI disse que a Polícia Federal Criminal alemã estimou que o golpe já custou milhões de euros a empresas nos últimos meses.

A fraude visa funcionários dos departamentos de contabilidade e auditoria de uma companhia que foi autorizada a transferir dinheiro, muitas vezes usando pressão de tempo e avisos sobre um suposto "projeto secreto" para manipulá-los à realizar os falsos pagamentos.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas alemãsFraudes

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame