Negócios

Empresa de TV online Aereo ganha disputa contra emissora

Juiz se recusou a fechar temporariamente a startup ao julgar uma ação movida por uma emissora de Boston, de propriedade da Hearst Television

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2013 às 18h33.

Nova York - A empresa de serviços de TV online Aereo obteve mais uma vitória judicial, com um juiz federal recusando-se a fechar temporariamente a startup ao julgar uma ação movida por uma emissora de Boston, de propriedade da Hearst Television .

O juiz Nathaniel Gorton disse nesta quinta-feira que a WCVB-TV falhou em defender queixas sobre violações de direitos autorais contra a Aereo, decidindo que a Aereo poderia continuar oferecendo a programação da WCVB enquanto o processo seguir em frente.

O caso de Boston é um entre vários movidos contra a Aereo. A Fox e outras três emissoras locais entraram com uma ação contra a Aereo na segunda-feira em um tribunal federal em Utah, após o lançamento dos serviços da empresa na região em 19 de agosto.

Apoiada pela IAC/Interactive, de Barry Diller, a Aereo cobra 12 dólares por mês para usuários assistirem canais de TV em computadores ou dispositivos móveis. A indústria de TV vê o serviço como uma ameaça à sua capacidade de controlar as taxas de adesão e ganhar com publicidade, suas duas principais fontes de receita.

"Vamos recorrer imediatamente à decisão do tribunal que permite que a Aereo continue envolvendo-se em um negócio comercial de lucros ilegais, usando programas da WCVB protegidos por direitos autorais", disse a WCVB em um comunicado.

O presidente-executivo da Aereo, Chet Kanojia, afirmou em um comunicado que a decisão "deixa claro que não há razão pela qual os consumidores devem ficar limitados a uma tecnologia da década de 50 para acessar a transmissão televisiva." (Por Erin Geiger Smith)

Acompanhe tudo sobre:CopyrightProcessos judiciaisTelevisãoTVTV online

Mais de Negócios

Desenrola Pequenos Negócios renegocia R$ 1,25 bilhão até 12 de junho

Executivos veem a inteligência artificial como um “divisor de águas”

Para onde vai o lixo que foi multiplicado pelas enchentes no Rio Grande do Sul?

As ambições da startup com R$ 250 mi em contratos e o sonho de aposentar carregadores de celulares

Mais na Exame