Negócios
Acompanhe:

Ao chegar em SP, empreendedora nordestina foi humilhada. Hoje, comanda empresa de R$ 100 milhões

Meire Medeiros é fundadora do Grupo MM, de organização de eventos; receita da empresa chegou a R$ 100 milhões em 2021

Meire Medeiros, fundadora do Grupo MM: receita de R$ 100 milhões em organização de eventos (Grupo MM/Divulgação)

Meire Medeiros, fundadora do Grupo MM: receita de R$ 100 milhões em organização de eventos (Grupo MM/Divulgação)

M
Maria Clara Dias

13 de outubro de 2022, 09h00

Muito frequentes no mundo do empreendedorismo, as histórias de superação são o grande fio condutor por trás da criação de inúmeros negócios. Com a empresária Meire Medeiros, líder à frente do Grupo MM, um conglomerado de empresas ligadas ao setor de eventos e entretenimento, não foi diferente. Hoje o negócio tem receitas na ordem de R$ 100 milhões.

Assine a EMPREENDA, a newsletter semanal da EXAME para quem faz acontecer nas empresas brasileiras!

Mas nem sempre foi assim. Nordestina e natural de Natal, no Rio Grande do Norte, Medeiros chegou a São Paulo aos 15 anos para dar início à sua vida profissional. Contrariando a vontade de seus pais, ela chegou à cidade sem experiência ou contatos estratégicos, apenas com uma ambição e vontade muito grande em fazer acontecer.

“Vim para uma temporada de férias e me apaixonei pela cidade. Não tirava a ideia da cabeça de voltar e viver por aqui para sempre”, conta. Aos 23, ela mudou-se para a capital paulista de vez, deixando emprego e família para trás.

Logo de cara, ela percebeu que criar certa estabilidade não seria tão simples, a começar pelos desafios ligados à desigualdade de gênero e xenofobia. Em busca de oportunidades de emprego, ela recebeu muitos “nãos” de empresas que viam seu local de origem como empecilho para a contratação. “Lembro de que os antigos jornais de emprego vinham com um aviso pequeno, de rodapé, que dizia que aquela vaga não aceitava nordestinos. Foi algo triste, mas desafiador”, diz.

Fora do mercado de trabalho formal, ela partiu em busca de renda por outros caminhos. Um deles, como vendedora de assinaturas de revistas.

Trajetória empreendedora

Ao engravidar de sua filha Ana Carolina, hoje com 35 anos, ela decidiu buscar mais flexibilidade. Junto a isso, percebeu um setor em ascensão e que logo despertou sua atenção: o mundo da hotelaria, com destaque para a área de eventos corporativos, ou seja, os grandes acontecimentos empresariais organizados e sediados em hotéis por todo o Brasil.

"Comecei com muita ousadia, pois precisava aprender muita coisa”, conta. “Naquela época, os organizadores de eventos me perguntavam sobre termos projetores nos hotéis, por exemplo, e eu respondia: “O que é isso?”. Mas logo transformei a desinformação em aprendizado”.

As perguntas não respondidas logo serviram de estímulo para que Medeiros percebesse uma carência no mercado de evento, que exigia profissionais capacitados e orientados à chegada de novas tecnologias e aos padrões mais refinados das ocasiões. “Agências de eventos não cuidavam da assessoria adequada para o evento, não havia atenção aos detalhes. Pensei: as empresas precisam de alguém que não apenas faz eventos, mas sim os assessora”, conta.

A criação do negócio

Foi assim que a ideia para sua própria empresa, uma agência especializada em organização de eventos, surgiu.

Mais uma vez, a realidade pouco amigável a emigrantes acabou cruzando o caminho da empresária, ainda vítima de preconceitos por parte de chefes e outros executivos de mais “pompa” neste mercado. Em uma dessas ocasiões, Medeiros chegou a ouvir de um chefe que uma mera “nordestinazinha” jamais construiria um negócio de sucesso.

As ineficiências do mercado e as injúrias se traduziram em um negócio repleto de minúcias com o objetivo de alcançar o sucesso. “Tudo serviu de estímulo, pois eu sabia que um dia retornaria ali para mostrar o sucesso — o que realmente aconteceu anos depois”, diz.

Assim nasceu a MM (em referência ao nome de Meire), uma agência de eventos que hoje atende grandes empresas. Na lista estão companhias de renome como Pfizer, Siemens, GE, BRF, Colgate, Youtube, Decathlon e Lenovo.

O que faz o Grupo MM

O Grupo é um conglomerado de empresas ligadas ao mercado de organização de eventos, incluindo uma agência B2B, ou seja, voltada ao segmento corporativo. A proposta, porém, é ir além da execução dos eventos em si, e também atuar com comunicação interna, gestão e atendimento de pessoas.

Hoje, o Grupo MM atua em quatro frentes, divididas em diferentes unidades de negócio:

  • Eventos, de execução de eventos
  • MM Live Branding Experience, de construção de marca, branding e logotipos
  • MMRSVP, de gestão e confirmação eletrônica e automática de presenças
  • MM Travel, de viagens corporativas

“Cuidamos de cada passo, do começo ao fim, para que o cliente tenha seu evento realizado, seja uma convenção, treinamento, premiação ou qualquer outro tipo de configuração nacional e internacional”, diz. Eventos personalizados, congressos e grandes feiras entram na lista. Um exemplo recente está na construção de estandes para marcas como GE, Siemens e Decathlon em feiras de inovação e também hospitalares.

A proposta da companhia é atender a todas as possíveis pontas envolvendo a execução de um grande evento, das pesquisas com o cliente para sondar suas necessidades, à área de comunicação e construção de identidade visual e confirmações de presença. Uma outra frente também fica a cargo de toda a logística de transportes e hospedagens para organizadores e convidados que transitam entre diferentes cidades e estados para uma ocasião.

Atualmente, o Grupo MM está entre as maiores do país em seu segmento, com receitas de R$ 100 milhões em 2021. Para este ano, a projeção é triplicar o faturamento, uma ambição que vem apoiada na retomada do setor como um todo.

“Não existe fórmula para fazer eventos. É algo artesanal, um trabalho feito a muitas mãos e pelo qual sou apaixonada”, diz. “O mercado nunca estava tão aquecido. As oportunidades são muitas”.

LEIA TAMBÉM

Primeira da família a concluir os estudos, imigrante mexicana fundou empresa de US$ 2 bilhões

Chamado de 'louco' pelo pai, ele criou empresa de cerveja artesanal com receita de US$ 2 bilhões

Quem é Belmiro Gomes, o ex-bóia-fria por trás do gigante do atacarejo Assaí