Em plena pandemia, Mercedes fecha contrato grande com transportadora

A negociação da venda de 100 caminhões extrapesados foi feita 100% online

Embora a pandemia tenha derrubado as vendas de veículos, principalmente pesados, a Mercedes-Benz acaba de fechar um grande contrato com a transportadora Contatto, do segmento de químicos e combustíveis. A montadora negociou a comercialização de 100 unidades do modelo extrapesado Actros, que começará a ser entregue a partir deste mês.

O processo de venda foi 100% online devido à pandemia e, com isso, o tempo de negociação foi reduzido de cerca de três semanas para apenas dois encontros. “Foi uma experiência diferente. O lado positivo é que conseguimos reunir todos os agentes interessados nas reuniões, o que não seria possível se fosse presencial”, afirma Roberto Leoncini, vice-presidente da Mercedes, em entrevista exclusiva à EXAME.

A Contatto é uma empresa especializada no transporte de produtos químicos e GLP, conhecido como gás de cozinha. Cerca de 40% da demanda da companhia é do insumo.

“A demanda por gás de cozinha aumentou muito na quarentena. Por isso, tivemos que fazer um trabalho forte para cuidar dos nossos motoristas, porque não poderíamos deixar de atender o mercado”, diz Marcelo Contatto, diretor da transportadora.

A empresa avaliou bem a compra antes de realizá-la, diante do momento de fortes incertezas da economia. “Um dos fatores que levamos em consideração para renovar a frota é a segurança, por isso tentamos manter a idade média da frota em torno de 2,3 anos”, diz o executivo.

Mas essa não é a realidade do Brasil. Estudos apontam que a idade média da frota brasileira gira em torno de 15 a 18 anos, dependendo do segmento. Com a crise gerada pela pandemia, esse problema deve se agravar.

“Alguns segmentos vêm apresentando bom desempenho, como o agronegócio, mas outros estão sofrendo muito”, diz Leoncini.

Neste cenário, a indústria projeta vendas de 65.000 veículos pesados neste ano, ante previsão de 110.000 unidades no início do ano. A Mercedes trabalha, hoje, com dois turnos de produção em São Bernardo do Campo, em São Paulo, e em um turno em Juiz de Fora, Minas Gerais.

Leoncini destaca que, com a queda significativa da taxa básica de juros Selic, o financiamento do BNDES para o segmento, o Finame, voltou a ficar atrativo. “No começo da pandemia, o custo do capital foi para o espaço. Com isso, voltamos a ouvir falar de Finame e hoje o produto já representa metade das vendas do Banco Mercedes.”

Ele afirma ainda que as consultas de crédito já estão próximas do nível pré-pandemia, o que sinaliza uma retomada do mercado. “Isso não significa necessariamente que todas as solicitações vão se traduzir em vendas, mas já apontam para uma melhora do mercado.”

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE