Em crise, Avon acredita que não precisa de retoques

Empresa manterá foco no modelo de venda direta, menos por conta das vendas e mais pela transformação social, afirmou o presidente para o Brasil

São Paulo – Apesar das quedas nas vendas ano após ano, a Avon afirmou que irá manter sem retoques o seu modelo de negócios no Brasil, um dos mercados mais significativos para a companhia.

Em evento para a imprensa, que iria divulgar o “novo posicionamento da Avon no Brasil”, a companhia de beleza afirmou que buscou inspiração em suas raízes para continuar fazendo o que sempre fez.

Os números globais da empresa estão caindo há anos. Em 2011, as receitas totais somaram 11,1 bilhões de dólares. Já em 2014, eram 8,85 bilhões de dólares. A companhia não abre os números específicos para o Brasil. 

Ainda assim, a empresa afirma que "a Avon mantém o foco no modelo de venda direta, menos por conta das vendas e mais pela transformação social que ela traz”, afirmou o presidente para o Brasil, David Legher.

No país, a empresa conta com 1,5 milhão de revendedoras, um quarto do total da rede de vendas no mundo. Dessas, 90% são mulheres.

Missão de empoderar

Para Legher, a missão da Avon é empoderar mulheres por meio da beleza. Por isso, a empresa de maquiagem lançou hoje, 26, uma nova campanha: A Beleza que Faz Sentido.

A campanha coloca as revendedoras no foco da comunicação, estrelando os catálogos e produtos novos, como o Ultra Color Revolution, lançado hoje. O time de vendedoras também deve ser refoçado.

“Não estamos falando de nada novo. A Avon sempre foi assim. Estamos retomando o que sempre fomos”, disse Legher.

Apenas recentemente a empresa começou a investir em plataformas digitais. Em agosto do ano passado, anunciou que passaria a vender pela internet no Brasil. Agora, as revendedoras também podem receber pedidos pelo smartphone.

A Avon também afirmou que pretende continuar investindo na criação de produtos mais sofisticados, mas não informou se irá aumentar a participação dos itens de luxo no total dos lançamentos.

Nos Estados Unidos

Com vendas anuais de 8,85 bilhões de dólares, a empresa não realizou grandes mudanças no modelo de negócios nos seus 126 anos de existência, mantendo a venda direta.

Recentemente, a empresa adiou a divulgação sobre o que faria com a sua divisão norte-americana, uma das mais problemáticas. A presidente global, Sherilyn McCoy, iria delinear seus planos para o país este mês, mas adiou a apresentação, afirmou o Wall Street Journal.

Segundo o veículo americano, a empresa não tem uma proposta de venda da divisão dos Estados Unidos e nem uma estratégia para reavivar as receitas, mas está analisando todas as possibilidades.

Hoje, cerca de 86% das vendas da companhia, que nasceu nos Estados Unidos, vêm de outros países.

Os números estão caindo nos últimos sete anos, com uma queda expressiva de 17% nas vendas em 2014.

O prejuízo nos Estados Unidos somou 72,5 milhões de dólares no ano passado. Com isso, ela perdeu participação de mercado de 10,2% em 2007 para 4,3% no último ano, na sua divisão norte-americana.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também