Negócios

Eletrobras pode iniciar reorganizações societárias em 2013

Plano de reorganização societária das empresas do grupo só deve ser finalizado em um ano e três meses, mas as operações já podem começar a acontecer neste ano


	Eletrobras: após a aprovação das especificações básicas pelo Conselho, a empresa levará cerca de três meses para contratar uma consultoria internacional especializada para trabalhar no plano, explicou o executivo.
 (Divulgação)

Eletrobras: após a aprovação das especificações básicas pelo Conselho, a empresa levará cerca de três meses para contratar uma consultoria internacional especializada para trabalhar no plano, explicou o executivo. (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de abril de 2013 às 22h11.

São Paulo - A Eletrobras só deverá finalizar o plano de reorganização societária das empresas do grupo em cerca de um ano e três meses, mas as operações já podem começar a acontecer neste ano.

"As especificações básicas do plano já estão prontas. Nós mandamos para o Conselho de Administração que está analisando e vai ser aprovado na reunião desse mês...No meio do ano que vem, vamos ter o trabalho pronto", disse o presidente da empresa, José da Costa Carvalho Neto, a jornalistas, após reunião da Apimec.

Após a aprovação do Conselho, a empresa levará cerca de três meses para contratar uma consultoria internacional especializada para trabalhar no plano, explicou o executivo.

A reorganização societária das sociedades de propósito específico (SPE) referentes aos projetos de transmissão do Madeira já deve começar a ocorrer em breve. "Nós vamos criar uma única SPE e vamos concentrar essas atuações todas... Isso vai reduzir custos", disse.

A companhia também avalia a criação de uma única SPE para investimentos em novos grandes empreendimentos de transmissão. Mas por enquanto, para os próximos leilões, o modelo de atuação do grupo por meio de suas subsidiárias deve ser mantido para os empreendimentos regionais.

No setor de distribuição de energia, os processos para assumir o controle das distribuidoras estaduais de energia Celg (GO), CERR (RR) e Ceal (AL) continuam, apesar de a Eletrobras também estudar venda de participações nesse segmento.

"Nos três casos, é um modelo em que a Eletrobras entra com as empresas saneadas e ajustadas de tal maneira que entra numa condição boa", disse o presidente.

As companhias ainda têm que concluir pré-requisitos para a Eletrobras entrar no capital. Mas uma vez que a estatal federal assuma o controle dessas empresas, estas também poderão ser consideradas no plano de reestruturação societária do grupo.

A Eletrobras estuda também unir operações da Eletrosul e da CGTEE. A primeira atua principalmente em transmissão e geração de energia, incluindo eólicas. Já a CGTEE, entre outras atividades, tem térmicas a carvão.

A Eletrobras estuda não renovar as concessões das térmicas a carvão São Jerônimo, da fase A de Candiota e da usina Nutepa. Candiota Fase B deve ser remodelada, com possibilidade de aumentar a capacidade de geração de energia de cerca de 200 megawatts para 350 MW. Candiota Fase C é uma usina nova que será mantida pela Eletrobras.

Acompanhe tudo sobre:EletrobrasEmpresasEmpresas estataisEnergiaEnergia elétricaEstatais brasileirasHoldingsServiçosSócios

Mais de Negócios

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Investida do bilionário Bernard Arnault, startup faz sucesso usando IA para evitar furtos no Brasil

Riverwood Capital investe R$ 126 mi e quer levar startup mineira de gestão de contratos ao mundo

Oxxo por delivery: rede de "mercadinhos de bairro" anuncia parceria com o Rappi

Mais na Exame