Negócios

Após acusações, Eletrobras cria diretoria de Governança

Empresa é acusada por procuradores de um esquema de corrupção parecido com o da Petrobras, com pagamento de propinas em obras como Belo Monte


	Linhas de transmissão da Eletrobras na Usina de Itaipu: empresa afirmou que haverá reestruturação de suas demais diretorias, para não aumentar custos.
 (Adriano Machado/Bloomberg)

Linhas de transmissão da Eletrobras na Usina de Itaipu: empresa afirmou que haverá reestruturação de suas demais diretorias, para não aumentar custos. (Adriano Machado/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de fevereiro de 2016 às 20h12.

São Paulo - A estatal federal Eletrobras aprovou em reunião de seu conselho de administração nesta quarta-feira a criação de uma diretoria de Governança, Gestão de Risco e Conformidade, informou a companhia em comunicado ao mercado.

A medida vem em um momento em que a elétrica é acusada por procuradores de esquema de corrupção semelhante ao investigado na Petrobras, com pagamento de propinas em obras como a hidrelétrica de Belo Monte e as usinas de Angra 3 já tendo sido citados por delatores.

O ex-presidente da subsidiária Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro é acusado de receber propina de 4,5 milhões de reais e está preso.

Os diretores de geração da Eletrobras e de engenharia da Eletronorte, Valter Cardeal e Adhemar Palocci, pediram afastamento em julho passado após serem citados na imprensa como possíveis beneficiários do esquema. Todos negam irregularidades.

"O objetivo da nova diretoria será assegurar a conformidade dos processos e controles internos e garantir a observância dos regulamentos internos, legislações brasileiras e estrangeiras aplicáveis à companhia", disse a Eletrobras, destacando as leis anticorrupção do Brasil e dos Estados Unidos.

A Eletrobras também afirmou que haverá uma reestruturação de suas demais diretorias, com o objetivo de que a nova área não resulte em aumento na atual quantidade de diretorias e nem em elevação de custos.

O novo diretor será escolhido por uma empresa de head hunter a ser contratada.

Acompanhe tudo sobre:CorrupçãoEletrobrasEmpresasEmpresas estataisEnergia elétricaEscândalosEstatais brasileirasFraudesHoldingsServiços

Mais de Negócios

Um acordo de R$ 110 milhões em Bauru: sócios da Ikatec compram participação em empresa de tecnologia

Por que uma rede de ursinho de pelúcia decidiu investir R$ 100 milhões num hotel temático em Gramado

Di Santinni compra marca gaúcha de calçados por R$ 36 milhões

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Mais na Exame