É fundadora de startup? Aqui estão 10 lições que podem ajudar o seu negócio

Diretora da Rede Mulher Empreendedora reuniu dicas para mulheres à frente de negócios inovadores e em busca de mais espaço no mercado
Female founders: 10 dicas para líderes de startups (Astarot/Thinkstock)
Female founders: 10 dicas para líderes de startups (Astarot/Thinkstock)
P
Por Célia Kano, da Rede Mulher Empreendedora

Publicado em 03/06/2022 às 17:00.

Última atualização em 03/06/2022 às 17:13.

Startups são negócios com propostas escaláveis, que estão testando novos mercados a partir do uso de tecnologia e buscam investimento para crescer. E essa também é uma realidade feminina, mesmo que tímida. Apenas 4,7% das empresas nacionais são lideradas por mulheres, e dos 3,5 bilhões de dólares investidos em startups brasileiras em 2020, apenas 0,04% foi destinado para empresas fundadas por mulheres.

Ainda assim, dados da pesquisa Female Founders Report 2021, realizada pelo Distrito, Endeavor e B2Mamy, mostram que quando há mulheres na empresa, os resultados do negócio tendem a ser 25% melhores.

Espantada? Eu também. Por isso me reuni com as principais lideranças do ecossistema de startups para questionar: o que as mulheres fundadoras de startups podem fazer para enfrentar tantos desafios e apoiar a mudança desse cenário? Com base nessas conversas, reuni 10 dicas para mulheres empreendedoras à frente de startups inovadoras e em busca de maior destaque no mercado. Veja abaixo.

As principais lições para fundadoras de startups

1.  Reconheça a sua própria potência

A jornada irá testar a sua startup e você como líder, então busque o autoconhecimento, seja você mesma, saiba seus pontos fortes e relembre a potência que é.

2. Incentive o autoconhecimento no seu time

Saiba quais são seus pontos fortes e forme um time que complemente suas competências. Fortalecer mulheres em startups não é uma conquista que faremos sozinhas: trazer homens como aliados e não inimigos é importante. Tenha sócios que acreditam na sua liderança feminina. Invista em autoconhecimento e tenha conversas claras sobre os pontos fortes e o papel de cada um no negócio.

3.  Estude para identificar quando as barreiras por ser mulher surgirem

Estudar e se manter atualizada nos estudos sobre startups de mulheres irá te ajudar a identificar os momentos quando as barreiras surgirem.

4. Conecte-se com outras mulheres de startups

Elas poderão compartilhar como lidam com as barreiras e serão uma rica fonte para troca de experiências.

VEJA TAMBÉM

Mais jovem, empreendedorismo cresce entre mulheres de 18 a 30 anos

Por equidade, elas criaram grupo de investidoras para startups femininas

5. Busque o apoio de programas de aceleração para mulheres

Expanda sua rede de contatos, conhecimento e conexão com investidores através de programas de aceleração de startups dedicados para mulheres. Estes foram mapeados na 7ª edição do Mapa do Ecossistema de Apoio às Mulheres Brasileiras (LINK), como o RME Acelera, B2Mamy, Afrolab Para Elas e BlackRocks.

6. Conheça seus investidores antes de assinar o contrato

Entenda que seus investidores podem possuir vieses inconscientes por você ser mulher e isso poderá dificultar a relação futura. No caso de investimento utilize a fase de “namoro”, quando você está apresentando seu negócio e negociando o investimento para conhecer o perfil dos investidores e antecipar futuros conflitos.

7. Conheça quem investe em mulheres

Não aceite o investimento somente olhando o volume do recurso financeiro, pois a relação futura será longa e poderá ser cansativa caso sinta que os investidores não confiam em você por ser mulher. Conheça os fundos e as redes de investimento de mulheres para mulheres como o MIA Mulheres Investidoras Anjo, Sororitê, Elas&VC, Maya Capital e We Impact.

8. Faça compromissos dentro da sua startup

Reflita como você pode liderar uma mudança no ecossistema contratando mais mulheres, priorizando fornecedores liderados por mulheres e promovendo e desenvolvendo novas lideranças femininas.

9. Impacte mais mulheres com uma Femtech

Se a sua startup tem um produto para atender às necessidades das mulheres, ela é uma “femtech”. Nesse caso, não se esqueça de ouvir as dores das mulheres em toda a sua diversidade.

10. Apaixone-se pelo problema

Por fim, não se apaixone por ser uma mulher de startup, mas sim pelo problema que sua startup resolve: você poderá ganhar rapidamente ganhar a capa de uma revista, convites para palestras e programas de tv pela particularidade de ser uma mulher em startup. Não caia no erro de viver do glamour empreendedor. Mantenha foco na sua startup e o problema que ela resolve.

Esse é um resumo de dicas baseadas no painel que mediei na Mansão das Empreendedoras, realizada em 25 e 26 de Maio, pela Rede Mulher Empreendedora, no qual tive a alegria de conversar com as potências Lilian Natal, da Distrito; Micheli Junco, da B2Mamy; Camilla Junqueira, da Endeavor; Luiza Leite, da ACE e a Gabriela Szprinc, do Mercado Pago. O papo completo você pode ouvir no link.

Um beijo, Célia.