Negócios

Dufry comprará 51% de free shop grego por 200,5 mi de euros

Acordo fechado dá opção de aquisição dos 49% restantes da operação num prazo de quatro anos a valores justos de mercado

A operação que está sendo comprada pela Dufry é líder no varejo de viagem da Grécia, com 111 lojas (Divulgação)

A operação que está sendo comprada pela Dufry é líder no varejo de viagem da Grécia, com 111 lojas (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2012 às 08h53.

Última atualização em 17 de setembro de 2020 às 18h54.

São Paulo - A Dufry anunciou nesta quarta-feira acordo para comprar 51 por cento do negócio de varejo de viagem do grupo grego Folli Follie por 200,5 milhões de euros. A companhia ainda tem opção para comprar os 49 por cento restantes da operação num prazo de quatro anos a valores justos de mercado.

A transação acontece em meio a um ambiente de profunda recessão econômica e instabilidade social na Grécia, mas, apesar da esperada queda nas receitas com turismo no país neste ano, o setor está tendo um desempenho muito melhor que outros da economia grega.

"Espera-se que a Grécia continue sendo um destino turístico atrativo, independentemente da situação econômica atual do país, conforme o negócio tem demonstrado ao longo dos dois últimos anos", afirmou o presidente-executivo da Dufry, Julian Diaz, em comunicado ao mercado.

A empresa havia divulgado no final de setembro que estava envolvida em negociações para compra de participação majoritária na operação do Folli Follie.

A Folli, uma das companhias gregas mais bem sucedidas, vende joias e outros acessórios em cerca de 800 lojas na Europa, Ásia e Estados Unidos. A empresa comprou a Hellenic Duty Free Shops em 2010.

Para financiar a aquisição, a companhia fará um aumento de capital de cerca de 250 milhões de euros via emissões de ações, dentro do limite já autorizado.

A operação que está sendo comprada pela Dufry é líder no varejo de viagem da Grécia, com 111 lojas e um "atrativo portfólio de concessões de longa duração".

Em 2011, o negócio gerou uma receita de 291 milhões de euros, sendo mais de 80 por cento de clientes internacionais. A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de 84 milhões de euros em 2011, com margem de 29 por cento.

"A aquisição é consistente com a estratégia de crescimento da Dufry, com foco em mercados emergentes e destinos turísticos e irá fortalecer a sua posição na região do Mediterrâneo, o maior destino turístico do mundo", afirmou a empresa com sede na Suíça.


A companhia estima que as sinergias, considerando 100 por cento da operação do negócio que está sendo adquirido, atingirão 10 milhões de euros em 18 meses após a conclusão da transação.

Crédito

Segundo a Dufry, o negócio que está sendo comprado será financiado por meio de uma nova linha de crédito de 335 milhões de euros, captada junto a um sindicato de bancos locais.

A linha terá amortização em cinco anos e foi estruturada como um financiamento sem garantias dos controladores, apenas a totalidade das ações do novo negócio.

Além disso, a Dufry informou que refinanciou sua linha de crédito rotativo existente, no valor de 415 milhões de francos suíços (441,2 milhões de dólares), que iria expirar em 2013, e estruturou uma nova linha de crédito do mesmo tipo por cinco anos, no valor de 650 milhões de francos.

"Para refinanciar os empréstimos que irão expirar em 2013, no valor de aproximadamente 502 milhões de francos, a Dufry está analisando a possibilidade de emitir títulos de dívida", informou a empresa.

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisComércioDufryDuty FreeEmpresasFusões e AquisiçõesNegociaçõesVarejo

Mais de Negócios

Colaboração entre Dell e Microsoft facilita a vida de empresas na gestão do ambiente multicloud

EXCLUSIVO: novo fundo de investimento, Moni Capital, do Grupo ND, tem R$ 80 milhões para startups

Após cair 10% em maio, PMEs gaúchas voltam a crescer em junho e começam a se recuperar da enchente

Na febre das corridas de ruas, ele faz R$ 4,5 milhões com corridas em shoppings e até em aeroportos

Mais na Exame