Negócios

Depois de Thiaguinho e Marcus Buaiz, a startup Azos tem novo sócio para ampliar a exposição em mídia

A  insurtech vendeu participação minoritária para a 4Equity em troca de exposição em veículos como TVs, rádios e out-of-home

Rafael Cló, Bernardo Ribeiro, Renato Farias, da Azos: (Azos/Divulgação)

Rafael Cló, Bernardo Ribeiro, Renato Farias, da Azos: (Azos/Divulgação)

Marcos Bonfim
Marcos Bonfim

Repórter de Negócios

Publicado em 24 de agosto de 2023 às 07h02.

Última atualização em 24 de agosto de 2023 às 11h12.

A  insurtech Azos acaba de assinar a entrada de um novo sócio, a 4Equity, empresa que tem como modelo a compra de participação minoritária em startups em troca de exposição em veículos de mídia. A gestora é dona de um FIP (Fundo de Investimento em Participações) que permite que players de mídia como TVs, rádios, portais e até influenciadores invistam em startups e ‘paguem’ cedendo espaços publicitários. 

Por trás do modelo, estão Felipe Hatab, ex-CMO da Stone, Renato Mendes, ex-líder de comunicação e marketing da Netshoes,  e ainda Eduardo Loureiro, com passagem pela Stone, e David Halaban, na consultoria israelense Targo. O fundo foi lançado no fim do ano passado e já captou 200 milhões de reais de um total de 500 milhões autorizados.

A 4Equity tem acordo com 30 veículos de mídia e investiu em duas startups até o momento:

  • Quinto Andar
  • BrandLovrs, de marketing de influência

Em cada negócio, a proposta da 4Equity é de fechar aportes com valores entre  5 milhões a 30 milhões de reais. O valor transacionado e a participação adquirida não foram abertos. 

“A nossa participação é realmente minoritária e para ajudar onde está doendo. E na maioria das vezes essa dor é muito grande porque fazer marketing no Brasil é caro por essência, é muito difícil, é um mercado concentrado”, diz Felipe Hatab, cofundador da 4Equity. 

O que motivou a entrada de um novo sócio?

A Azos é a terceira a ser anunciada, mas a primeira a colocar a campanha no ar. As conversas entre as duas startups foram iniciadas nos primeiros meses do ano, e o martelo batido nos últimos dias.

Fundada em 2021, em meio à pandemia, a insurtech chegou ao mercado com a proposta de facilitar o acesso ao complexo e concentrado universo de seguros no país. No serviço, desenvolvido em parceria com a Excelsior Seguros, oferece produtos como seguro de vida, doenças graves, assistência funeral e invalidez total por acidente. 

Hoje, tem mais de 15 bilhões de reais em capital segurado, volume que cresceu cerca de 50% desde março passado, quando a startup falou à EXAME para anunciar a mudança de resseguradora, da IRB Brasil para Swiss Re, uma das maiores do mundo. A startup não abre o número de clientes.

Até pelo modelo do negócio, a Azos investiu desde os primeiros dias de vida apenas em comunicação digital, em redes sociais como Instagram, Facebook e YouTube. A entrada no novo sócio permite a ampliação e a abertura da conversa em outros territórios e  momentos em que pode encontrar potenciais clientes.  

“Por mais que a estratégia tenha funcionado até agora, nós temos crescido em ritmo super acelerado e, conversando internamente, sentimos bastante falta de impactar o cliente em diferentes partes da jornada”, afirma Bernardo Ribeiro, CMO e co-fundador da Azos. 

Ex-gerente de marketing do Burger King, ele criou a startup com os amigos Rafael Cló, ex-head de análise de varejo na Kraft Heinz nos Estados Unidos e CEO da startup, e Renato Farias, ex-diretor de operações internacionais da DogHero e COO.

Para a primeira campanha, criada a internamente e liderada por Marília Lacerda, head de marca, a Azos optou por ações de mídia out-of-home. As exposições são em telas e totens no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte e em pontos movimentados na capital mineira - o município, origem da startup, é o principal mercado, seguido pela cidade de São Paulo. Na estratégia, mensagens para conscientizar sobre a importância do seguro de vida e retratar os diferenciais de mercado. 

Apesar de o modelo de mídia por participação ser novo no mercado brasileiro, essa não é a primeira vez que a Azos procura potencializar os canais de exposição. No ano passado, a startup anunciou o cantor Thiaguinho e o empresário Marcus Buaiz, parceiros em outros negócios, como novos sócios. 

A negociação combinou tanto o desembolso de capital financeiro quanto midiático dos dois. Vez por outra, o artista aparece nas redes sociais da insurtech. 

Como a Azos chegou ao mercado

A ideia de criação Azos veio após Rafael Cló sofrer com as burocracias de uma seguradora brasileira da qual era cliente. À época, ele morava nos Estados Unidos e trabalhava na Kraft Heinz. Ao descobrir que as parcelas de uma apólice não estavam sendo pagas porque o seu cartão tinha vencido, precisou lidar com uma sequência de problemas relacionados à:

  • quitação de débitos
  • dificuldades de acesso ao portal do cliente
  • Falhas de comunicação com a empresa
  • Política de cancelamento antiquada, com a necessidade de envio de carta escrita de próprio punho

Em meio às dores de cabeça, Cló enxergou a oportunidade de construir algo neste mercado. Com os outros dois sócios, se debruçou sobre o setor de seguros, observando cases de sucesso na indústria americana e os modelos de negócios.

No lançamento da insurtech, a oferta de apólices a partir de R$ 5,00, valor que se mantém até hoje. Uma estratégia de marketing, mas também uma forma de mostrar um novo movimento no setor, conhecido por trabalhar com valores a partir dos três dígitos.

Por que a Azos deve crescer em torno de 300%

Desde que entrou no mercado, a startup já recebeu mais de 100 milhões de reais em investimentos, de fundos como Prosus (ex-Naspers Ventures), Kaszek Ventures, Maya Capital e o do Munich Re Ventures, braço de capital de risco da resseguradora Munich Re. 

A startup não abre números do negócio. Afirma, no entanto, que registrou expansão quatro vezes em 2022 sobre a receita do ano anterior. Para este ano, trabalha com crescimento de três vezes. 

“No começo do ano,  quase 50% de toda a massa de clientes e de parceiros que tínhamos era em Belo Horizonte. Hoje, já está mais para perto dos 30%, sendo que Belo Horizonte dobrou de tamanho”, afirma Ribeiro. “Nós continuamos crescendo bastante em Belo Horizonte, só que o crescimento em outras regiões está sendo maior ainda por causa de uma estratégia de expansão geográfica muito forte que colocamos agora”. 

A startup abriu escritórios para dar suporte a corretores e escritórios de investimentos em São Paulo e cidades no interior do estado como São José dos Campos e Campinas, e ainda Brasília (DF), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR) e está entrando em Porto Alegre (RS) e interior de Minas Gerais nos próximos meses. 

Apesar de nativa digital, a Azos sentiu a necessidade de estar mais próxima dos agentes de vendas e, daí, a criação dos espaços surge para fomentar e fortalecer os relacionamentos presencialmente. “Esse processo de expansão vem funcionando bastante e é ele que está, de fato, puxando esse crescimento”.

Acompanhe tudo sobre:SeguradorasStartupsmarketing-digital

Mais de Negócios

Nas franquias de educação, 83% dos alunos estão na sala de aula (e não em aulas online)

Eles começaram do zero, viraram referência em franquias e revelam segredos para sucesso nos negócios

Fintech dos EUA, Caliza capta R$ 45,7 milhões para impulsionar pagamentos internacionais por aqui

Mais na Exame