Covid-19: fabricante do Remdesivir abre mão de patente, mas exclui Brasil

A americana Gilead permitirá que 127 países possam fabricar o medicamento, que tem sido testado no combate ao coronavírus

A farmacêutica americana Gilead Sciences, que fabrica o antiviral Remdesivir, remédio que vem sendo testado contra a covid-19, resolveu abrir mão da patente para facilitar o acesso ao medicamento em 127 países. No entanto, o Brasil ficou de fora da lista.

Em resposta a questionamento da EXAME, a farmacêutica informou que a decisão sobre os países que terão a licença voluntária é baseada em uma lista do Banco Mundial. Segundo o comunicado, as 127 nações incluídas “representam quase todos os países de baixa e média renda, bem como vários de alta e média renda que enfrentam obstáculos significativos de acesso à saúde.”

A companhia não esclareceu os motivos específicos acerca da exclusão do Brasil da lista. No entanto, ponderou que se ficar comprovado que o medicamento é seguro e eficaz no tratamento da covid-19, a Gilead está “comprometida” a tornar o Remdesivir acessível aos governos e pacientes em todo o mundo.

“Continuaremos a discutir com as autoridades regulatórias, incluindo no Brasil, o crescente corpo de evidências do Remdesivir como um tratamento potencial para a covid-19, com o objetivo de torná-lo mais amplamente disponível para pacientes com necessidades urgentes”, disse em nota à EXAME.

No último dia 1º de maio, os Estados Unidos liberaram o uso do medicamento em casos de emergência da covid-19. O Remdesivir tem mostrado bons resultados na recuperação de pacientes hospitalizados, acelerando o processo de melhora.

A Gilead assinou acordos de licenciamento voluntário com cinco farmacêuticas especializadas na produção de genéricos.

A companhia informou ainda que se reuniu com a Anvisa no último dia 6 de maio para falar sobre o tema. “Na ocasião, a Gilead informou que o plano global de submissão para o Remdesivir, incluindo o Brasil, está em fase de discussão interna.”

A Gilead é conhecida por medicamentos usados para complicações geradas pelo vírus HIV e pela hepatite.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.