COP26: Brasil pode ceder em negociações de carbono do Artigo 6º

A chegada da comitiva brasileira ministerial, discurso de Barack Obama e o resumo desta segunda-feira na COP26, a Conferência das Partes sobre mudanças climáticas
 (Cleia Viana/Agência Câmara)
(Cleia Viana/Agência Câmara)
Por Marina FilippeRodrigo Caetano
Publicado em 08/11/2021 às 16:50.

*De Glasgow, na Escócia

A comitiva brasileira ministerial chegou à COP26 nesta segunda-feira, mas o ministro Joaquim Leite não teve discurso oficial no evento. Contudo, a EXAME apurou que as negociações estão avançando, apesar de ainda haver pontos de atrito.

Saia à frente quando o assunto for sustentabilidade, responsabilidade social e governança com o MBA de ESG e Impact.

Os principais são a respeito da maneira como os créditos vendidos por um país para outro serão contabilizados na NDC do vendedor. O Brasil sempre se opôs a retirar esse carbono vendido da contagem, porém, aparentemente, decidiu ceder.

Outro ponto de atrito diz respeito ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que estabelece as regras para os mercados regulados de carbono atuais. A discussão é sobre como se dará essa transição – há muitas empresas brasileiras que fizeram projetos com base no MDL.

Um terceiro ponto é a criação de um fundo para o financiamento da transição econômica nos países em desenvolvimento. Países pobres querem que 2% de toda transação de carbono no mercado regulado seja destinado ao Fundo de Adaptação Climática, o que, provavelmente, chegaria a valores na cada do trilhão.

Além disso, ainda hoje, Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos, discurso por uma hora para aqueles que tinham direito a entrar na sala de palestras. Na ocasião, ele falou sobre a cooperação entre países, a importância das empresas influenciarem os trabalhadores e consumidores, além do seu envolvimento com lideranças jovens.

“Não é sobre ser republicano ou democrata. A natureza não quer saber de partido político. Nós precisamos de todos, mesmo que discordem em outras coisas”, disse Obama.

A segunda-ferira também foi marcada por anúncios focados em adaptações climáticas, perdas e danos, países como França e Gana expuseram suas realidades, e comentaram a importância de um plano efetivo para que os mais vulneráveis não sofram tanto com as mudanças climáticas.

Neste cenário, 232 milhões de dólares foram comprometidos por meio do Fundo de Adaptação. Os compromissos são dos Estados Unidos, Canadá, Suécia, Finlândia, Irlanda, Alemanha, Noruega, Itália, Qatar, Espanha, Suíça, Reino Unido e os governos de Quebec e Flandres.

EXAME na COP

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC) é um tratado internacional com o objetivo de estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera.

Uma das principais tarefas da COP é revisar as comunicações nacionais e os inventários de emissões apresentados por todos os países-membros e, com base nessas informações, avaliar os progressos feitos e as medidas a ser tomadas.

Para além disto, líderes empresariais, sociedade civil e mais, se unem para discutir suas participações no tema. Neste cenário, a EXAME atua como parceira oficial da Rede Brasil do Pacto Global, da Organização das Nações Unidas.

Leia a cobertura completa da EXAME sobre a COP26