Acompanhe:
seloNegócios

Icred, fintech sergipana que já movimentou R$ 900 milhões com FGTS, levanta R$ 100 milhões

A startup de Aracaju também prepara uma oferta pública de FIDC no valor de R$ 300 milhões, prevista para janeiro de 2024

Modo escuro

Continua após a publicidade
Túlio Matos, iCred: emissão pública de FIDC de R$ 300 milhões nos colocará em outro patamar de originação (Divulgação/Divulgação)

Túlio Matos, iCred: emissão pública de FIDC de R$ 300 milhões nos colocará em outro patamar de originação (Divulgação/Divulgação)

A startup sergipana iCred caminha a passos rápidos no mercado nacional. Nos primeiros 10 meses do ano, a fintech já movimentou mais de R$ 900 milhões em empréstimos a trabalhadores formais com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). 

O serviço é o seu principal produto e era o único até o começo deste ano. Em janeiro, a fintech começou a trabalhar com empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS.

Para reforçar a operação, a empresa acaba de levantar R$ 100 milhões por meio de um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios, FIDC, veículo de investimento a partir do qual os titulares de cotas têm rendimentos atreladas a recursos advindos de uma empresa.  Em pouco mais de um ano, essa é a segunda vez que a iCred usa a modalidade de investimento.

Além disso, a fintech prepara uma oferta pública de FIDC no valor de R$ 300 milhões, prevista para janeiro de 2024. Nas emissões anteriores, entraram apenas investidores profissionais, com mais de R$ 10 milhões investidos e atuação aprovada pela CVM (Comissão dos Valores Mobiliários). 

A proposta agora é atrair investidores qualificados, com mais de R$ 1 milhão aplicados, e também os de varejo, cuja permissão para entrar em FIDCs começou a vigorar na última segunda, 2, após resolução da CVM. “Será uma emissão de primeira linha que vai turbinar a operação e nos colocar em outro patamar em termos de originação”, afirma Túlio Matos, CEO e sócio-fundador da iCred. 

Como a startup foi criada

O negócio funciona como um correspodente bancário e chegou ao mercado em fevereiro de 2022 para oferecer a antecipação do saldo do FGTS, por meio do Saque Aniversário, recurso liberado no começo da pandemia de Covid-19.

Com o uso de inteligência artificial, a plataforma da Icred cruza as informações de diversos bancos de dados públicos de pessoas físicas e rastreia os recursos aos quais os trabalhadores têm direito. Segundo a empresa, a análise leva até 3 minutos. Quando a resposta é positiva, a startup faz o pix e os valores caem na conta em segundos.

Nascido em Salvador, Matos começou a carreira em negócios da família em Nordestina, município de 13.000 habitantes a 259 quilômetros de Salvador. Ele e a família passaram as últimas duas décadas trabalhando em várias etapas do crédito consignado, uma das linhas mais populares em cidades pequenas e médias.

Hoje eles são sócios da GVN, uma promotora de crédito sediada em Juazeiro, no norte da Bahia, cujo negócio é indicar clientes a uma rede de 15 bancos com alguma linha de financiamento de crédito consignado. Com 17 anos de operação, a GVN tem operação nacional tocada por mais de 1.200 profissionais de vendas associados.

Quando perceberam que os bancos, a partir de uso de tecnologia poderiam chegar aos mesmos leads estavam repassando, decidiram criar o próprio negócio. Morando em Aracaju, Sergipe, ele bateu à porta de programadores da Universidade Federal de Sergipe para desenvolver uma tecnologia de inteligência artificial capaz de dar vazão aos planos de criar a iCred.

Como funciona a operação da fintech

Na média, os usuários requerem em torno de R$ 1.000. Neste ano, a plataforma recebeu consultas para simulação de mais de 2,26 milhões de pessoas e efetivou a antecipação para mais de 1 milhão de pessoas. A expectativa é de que até o fim deste mês a startup ultrapasse pela primeira a barreira de 1 bilhão de reais.   

Outra frente na fintech entrou em operação no começo do ano, o consignado para pensionistas e aposentados do INSS. O produto teve uma expansão limitada nos primeiros e avançou no último mês, após o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovar a constitucionalidade de empréstimos consignados a quem recebe Benefício de Prestação Continuada (BPC) da Lei Orgânica da Assistência Social (Loas). 

“No último mês, os empréstimos já representaram a metade da originação”, afirma Matos. Nas contas da startup, a nova unidade de negócios deve encerrar o ano com R$ 100 milhões em geração de empréstimos. Embora tenha um volume menor, o tíquete médio é mais elevado, por volta de R$ 10.000.

A iCred ainda prevê a entrada de mais dois produtos no mercado ainda está ano.

  • Cartões de crédito para aposentados e pensionistas do INSS
  • Opção de portabilidade de crédito 

O bom início da fintech não veio sem turbulência. No início do ano, o governo, a partir do Ministério do Trabalho, cogitou encerrar o programa de antecipação do saque de aniversário do FTGS, uma discussão que ainda deve render bastante caldo. Pelo impacto e a proporção que o programa tomou, o empreendedor acredita que o caminho deve ser pela manutenção. 

“A antecipação já passou a ter uma relevância tão importante, principalmente como política de governo que, por mais que não tenha sido criada por esse governo e existam algumas coisas para melhorar no produto, a tendência é muito mais que se faça um ajuste do que destruir tudo”, afirma.

Segundo Matos, as discussões sobre o taxa de juros para consignados do INSS, levantadas pelo Ministério da Previdência, devem seguir na mesma  direção.  

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Chinesa BYD, que investiu bilhões no Brasil, está de olho nos EUA e quer fábrica no México
seloNegócios

Chinesa BYD, que investiu bilhões no Brasil, está de olho nos EUA e quer fábrica no México

Há 7 horas

Como a The Body Shop, vendida pela Natura, se "desintegrou" em 3 meses
seloNegócios

Como a The Body Shop, vendida pela Natura, se "desintegrou" em 3 meses

Há 7 horas

Nike vai demitir 1.600 funcionários em plano para reduzir custos após vendas fracas
seloNegócios

Nike vai demitir 1.600 funcionários em plano para reduzir custos após vendas fracas

Há 8 horas

De office-boy a CEO, ele transformou uma pequena vinícola gaúcha num negócio de R$ 122 mi em 4 anos
seloNegócios

De office-boy a CEO, ele transformou uma pequena vinícola gaúcha num negócio de R$ 122 mi em 4 anos

Há 10 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais