Negócios

Como o chef João Diamante está ajudando a mudar o mundo por meio da alimentação

Nascido na Bahia, ele é um dos vencedores da edição deste ano do prêmio Champions of Change, concedido pelo ranking the World's 50 Best Restaurants

Ao abrir as portas da Diamantes Na Cozinha para jovens de 16 anos, o chef baiano está ajudando a tirá-los da pobreza e contribuindo com a economia brasileira, além de evitar o aumento das fileiras do tráfico de drogas. (Diamantes na Cozinha/Divulgação)

Ao abrir as portas da Diamantes Na Cozinha para jovens de 16 anos, o chef baiano está ajudando a tirá-los da pobreza e contribuindo com a economia brasileira, além de evitar o aumento das fileiras do tráfico de drogas. (Diamantes na Cozinha/Divulgação)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 20 de junho de 2024 às 14h43.

Sem um restaurante em funcionamento para chamar de seu, o chef João Diamante está ajudando a mudar o mundo por meio da alimentação. É o fundador da Diamantes Na Cozinha, ONG que promove cursos de culinária, nutrição e hospitalidade para jovens que vivem em favelas do Rio de Janeiro e se encontram em situação de vulnerabilidade. Graças a essa iniciativa, ele foi um dos vencedores da edição deste ano do prêmio Champions of Change, concedido pelo ranking The World's 50 Best Restaurants.

“Sou grato pelo reconhecimento do nosso trabalho”, declarou ele ao receber a distinção, anunciada no mês passado. “Esse projeto surgiu para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade social no Rio de Janeiro no caminho para um futuro melhor e tenho orgulho de poder compartilhar isso com um público internacional."

Nascido na Bahia, ele foi criado na favela Nova Divineia, no Complexo do Andaraí, no Rio de Janeiro. Saiu de lá para estudar na França, onde foi aprendiz do estrelado chef francês Alain Ducasse. De volta ao Brasil, nunca esqueceu dos anos de dificuldades e do dia a dia de quem enfrenta situações de vulnerabilidade.

Fundado em 2016, o projeto social dele já atendeu mais de 3.000 pessoas. A ONG é fruto de uma triste realidade: a vida de muitos amigos de Diamante chegou ao fim por culpa da violência. Não por acaso, a entidade tem a missão de evitar que jovens sucumbam ao vício de drogas ou sejam cooptados pelo crime organizado que impera em diversas regiões do país.

Ao abrir as portas da Diamantes Na Cozinha para jovens de 16 anos, o chef baiano está ajudando a tirá-los da pobreza e contribuindo com a economia brasileira, além de evitar o aumento das fileiras do tráfico de drogas. Os cursos oferecidos pela ONG abrangem hospitalidade, culinária, antropologia alimentar e coquetelaria. Semestrais e com foco também em empreendedorismo, reúnem até 100 alunos por vez.

O Diamantes Na Cozinha remete à própria trajetória do baiano, que foi beneficiado por programas sociais na adolescência. Debutou no mundo das panelas na Marinha do Brasil, onde começou a trabalhar como ajudante de cozinha. Cinco anos depois, matriculou-se em uma faculdade de gastronomia.

“A gastronomia é uma das ferramentas mais completas de transformação social, oferecendo um mundo de possibilidades a todos”, Diamante declarou na época da pandemia, quando fez o que pôde para alimentar quem mais precisava naquele período. Em tempo: o Diamante Gastrobar, o empreendimento dele na região do Maracanã, no Rio de Janeiro, está fechado temporariamente.

Ele não foi o único contemplado pela edição deste ano do Champions of Change. Caroline Caporossi e Jessica Rosval também foram agraciadas. Elas fundaram e gerenciam um restaurante social em Modena, na Itália, o Roots. Este oferece um programa remunerado de formação em gastronomia para mulheres migrantes.

Caroline é americana e Jessica, canadenense. Em abril de 2020, logo no início da pandemia, elas fundaram uma associação cuja missão é disponibilizar recursos para que mulheres se estabeleçam financeiramente e prosperem.

Elas tiraram do papel o Roots, dois anos depois, em parceria com Maria Assunta Ioele. À noite, o empreendimento funciona como um restaurante cujo propósito é lançar luz sobre os mais novos chefs de Modena. De dia, faz as vezes de espaço de trabalho conjunto onde mulheres migrantes podem aprender, trabalhar e desenvolver autoconfiança.

A Association for the Integration of Women, criada por Caroline e Jessica, é composta inteiramente por voluntários com formações diversas. Todos os anos, treina 12 mulheres em um ciclo de quatro meses. A paixão pela gastronomia é um dos pré-requisitos.

O Champions of Change foi criado, por motivos óbvios, em 2021. Para cada uma das entidades contempladas, o The World's 50 Best Restaurants faz uma doação em dinheiro. “É admirável o trabalho que essas pessoas estão fazendo para contribuir com um futuro melhor para suas comunidades”, declarou William Drew, diretor de conteúdo do ranking, quando Diamante, Caroline e Jessica foram premiados. “Estamos entusiasmados em apoiar o desenvolvimento de projetos tão  preciosos.”

Acompanhe tudo sobre:branded-contentAlimentando o Planeta

Mais de Negócios

Criada na Bayer e investida da Yara, Bravium e Itaú BBA, essa startup quer ser o marketplace do agro

Macarrão de amendoim e café de açaí: confira as novidades da Naturaltech

Casa do Pão de Queijo: Justiça pede perícia para aprovar pedido de recuperação judicial

Após comprar brasileira, empresa francesa capta R$ 3 bilhões para expandir – inclusive no Brasil

Mais na Exame