Como jovem que ficou milionário aos 18 anos com bitcoin gasta sua fortuna

Aos 18 anos, ele se tornou um milionário com seus investimentos em bitcoin. Aos 22, ele já possui uma fortuna de US$ 17 milhões

Quando Erik Finman, de 22 anos, ouviu falar sobre bitcoin pela primeira vez, "algo dentro de mim me disse que seria grande", disse ele em entrevista ao Business Insider. Durante um protesto em Washington, em 2011, Finman viu um homem usando uma camiseta com a letra "B" laranja que parecia um cifrão, e perguntou o que significava.

"É bitcoin, cara. Isso vai acabar com Wall Street". Depois de ouvir isso, Erik saiu correndo e foi procurar a palavra na internet para saber seu significado. E acabou se apaixonando por ela. Quando sua avó o presenteou com um cheque de 1.000 dólares para financiar sua educação, ainda em 2011 -- quando ele tinha apenas 12 anos -- Finman colocou todo dinheiro em 100 bitcoins, que valiam cerca de 10 dólares na época.

“Passei todos os dias, desde então, trabalhando para acumular mais bitcoins, ganhando dinheiro de outras maneiras e [principalmente] tendo sucesso na hora de comprar e vender ao longo do tempo”, afirma. Aos 15 anos, Finman mudou-se da casa de seus pais para viver sozinho em Palo Alto, sustentando seu estilo de vida predominantemente com seus investimentos em bitcoin e renda que obteve com as empresas que fundou, vendeu e investiu.

Aos 18, em 2017, ele se tornou um milionário com seus investimentos em bitcoin. Aos 21, ele já possuia uma fortuna de 3,2 milhões de dólares. Hoje, Finman disse que possui 423 bitcoins, que hoje valem cerca de 40.000 dólares cada, fazendo com que seu investimento seja algo em torno de 17 milhões de dólares.

O que há de 20 e poucos anos a ver com milhões no banco? Finman compartilhou com o Insider com o que ele gastou seu dinheiro e os investimentos que tem em vista.

US$ 1 milhão: ele largou o ensino médio para se dedicar à robótica

Finman afirma que sempre se sentiu inútil no colégio. Quando ganhou seu primeiro milhão, decidiu largar a escola. "Eu senti que não estava aprendendo nada e estava perdendo meu tempo." Em seguida, apaixonado por robótica, ele começou a criar um traje "Doctor Octopus" da vida real, inspirado no vilão da Marvel.

Finman conta que o traje tinha como objetivo ser útil para pessoas com deficiência física. “A saúde era um de nossos principais focos com aplicações potenciais, como ser capaz de entregar a um cirurgião uma ferramenta durante a cirurgia para que ele não precisasse tirar os olhos do paciente”, disse Finman.

Um dos principais aplicativos que Finman ajudou a testar foi para pessoas que não tinham força para fazer as atividades diárias normais.

"Colocamos os braços em várias pessoas e descobrimos que, se você tem capacidade física para usar um teclado, pode usar esses braços para beber um copo d'água, levantar um objeto pesado ou até mesmo se levantar levemente, usando o mecanismo de luvas nas mãos para controlar os braços", disse Finman.

Sua primeira compra pessoal foi um novo par de fones de ouvido. "Cerca de 700 dólares, se bem me lembro", disse ele. "Portanto, sem lição de casa, bons fones de ouvido e um 'terno Doc Ock' — o que mais um adolescente precisa?". Bem, talvez mais uma coisa. "É claro que tive de ser desagradável e comprar um Audi R8", acrescentou.

US$ 3 milhões e mais: investimento em novos empreendimentos

Quando Finman ultrapassou a faixa de 3 milhões de dólares, "senti que estava em uma boa posição para fazer alguns investimentos mais interessantes", afirmou. Isso incluiu trabalhar na empresa de criptomoedas alternativas Metal Pay. "Eu realmente acredito que seu fundador, Marshall Hayner, é um visionário", acrescentou.

Ele também investiu "muito dinheiro" na própria moeda, bem como assumiu uma função de relações públicas e marketing na empresa, o que aumentou ainda mais suas economias.

Além de ter investido em robótica, ele observou que o Metal Pay foi de longe seu maior investimento em tempo e finanças. Embora ele não esteja mais envolvido com a empresa, o projeto o ensinou sobre o potencial que as criptomoedas possuem.

Ele também abriu seus olhos para outras moedas, com potencial ainda maior do que o bitcoin. "Mesmo tecnologias alternativas de blockchain podem acabar sendo mais importantes do que as próprias moedas", disse ele. "Você só precisa olhar para a febre NFT para ver isso."

Salvar a maior parte de seu bitcoin acabou sendo a decisão certa, já que o preço aumentou substancialmente desde que ele ganhou seu primeiro milhão. "Até hoje, é difícil para mim querer gastar qualquer parte do meu bitcoin", disse Finman. "Apesar dos altos e baixos, ano após ano o bitcoin parece continuar crescendo."

A atual prioridade de gastos de Finman é em um projeto futuro, que ele está mantendo sob segredo.

"No momento, tudo que posso dizer é que acredito que entramos em um mundo onde a privacidade é uma raridade absoluta", disse Finman. "A criptomoeda tem seus próprios objetivos de privacidade, e sempre os admirei, mas decidi trabalhar em uma aventura de privacidade e liberdade em tecnologia fora do mundo financeiro. Tudo ao nosso redor é rastreado, desde câmeras a cookies de navegador para captação de dados, e o nosso eu individual tornou-se cada vez mais difícil de manter separados dos olhos curiosos de grandes corporações e governos."

Pensando em mudar de carreira? Invista na sua carreira com o maior portal de negócios. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também