Como criar uma comunidade de clientes engajados? Ele fez isso e deve faturar R$ 22 milhões em 2022

O paulista Thiago Sodré é fundador do Club&Casa Design, uma plataforma virtual de negócios para arquitetos, decoradores e empresas dispostas a vender para este público
Thiago Sodré, fundador do Club&Casa Design: pontuação para incentivar negócios numa comunidade de profissionais do mesmo ramo (Divulgação/Divulgação)
Thiago Sodré, fundador do Club&Casa Design: pontuação para incentivar negócios numa comunidade de profissionais do mesmo ramo (Divulgação/Divulgação)
Leo Branco
Leo BrancoPublicado em 20/09/2022 às 05:46.

O empreendedor paulista Thiago Sodré conseguiu um feito cada vez mais relevante para tomadores de decisão em empresas de pequeno e médio porte: criar uma comunidade de clientes engajados.

Sodré é fundador do Club&Casa Design, uma plataforma virtual de relacionamento entre profissionais e lojistas dos segmentos de arquitetura, design de interiores e construção civil.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, conteúdos para impulsionar o seu negócio!

Como surgiu a empresa

O negócio foi aberto em 2015, em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, por uma motivação familiar.

Na ocasião, o pai de Sodré, dono de uma marcenaria, estava às voltas com a necessidade de fidelizar a clientela — e, assim, ter mais retorno para os investimentos em marketing.

Sodré era a pessoa adequada para resolver o desafio. Formado em publicidade, Sodré construiu carreira no marketing de marcas com forte apelo ao consumidor final, como a do energético Everlast.

"Aí, entendi a relevância de uma marca ter um diálogo direto com o consumidor para além do ato de compra e venda de um produto", diz.

Sodré foi responsável por ações de marketing com a Everlast em eventos direcionados ao público-alvo da marca, como baladas e eventos fitness.

O que faz o Club&Casa Design

Com experiência em eventos, Sodré deu ao pai a ideia de criar um clube de relacionamento de clientes da marcenaria, em sua maioria arquitetos com encomendas de móveis de clientes.

No início, o clube basicamente organizava eventos com nomes de referências no mercado de decoração de interiores.

Os eventos foram dando certo e, graças ao boca a boca, a ideia virou uma empresa separada para a gestão de uma comunidade de arquitetos e decoradores interessados nos eventos de Sodré.

Então, Sodré tomou uma decisão crucial para a validação do modelo de negócio do Club&Casa Design.

Poucos meses após a criação da comunidade, Sodré convidou empresas interessadas em vender produtos ou serviços a interagir com os profissionais dentro de uma plataforma online, numa espécie de marketplace focado nas demandas de arquitetos e decoradores.

Além disso, ele criou um sistema de pontos para incentivar os negócios entre os membros da comunidade.

Quem participa da comunidade

Funciona assim: cada negócio realizado entre profissionais e lojistas participantes do Club&Casa Design gera um ponto.

Os pontos podem ser utilizados dentro da plataforma para resgatar experiências. Na lista estão desde cursos online com foco em empreendedorismo e design a viagens a eventos internacionais de arquitetura e design.

Num desses eventos, no começo de 2022, um grupo de arquitetos e decoradores brasileiros foi à Milão conhecer estúdios de designers italianos numa viagem com a curadoria de Carlos Ferreirinha, um dos maiores especialistas em mercado de luxo no Brasil.

Com mais de 10.000 profissionais associados e uma rede de 300 empresas, o Clube transacionou mais de 300 milhões de reais em 2021.

O negócio de Sodré ganha dinheiro com assinaturas de empresas interessadas na interação com a comunidade.

Em 2021, o Club&Casa Design fechou o ano com receita de 9 milhões de reais — quatro vezes mais que em 2020.

O resultado garantiu à empresa a 11ª posição entre as empresas de maior crescimento de receita operacional líquida em 2021, entre os negócios entre 5 e 30 milhões de reais, no ranking Negócios em Expansão, publicado pela EXAME em julho.

Neste ano, a expectativa é de um faturamento de 22 milhões de reais.

VEJA TAMBÉM:

Conheça os Negócios em Expansão na categoria de R$ 5 milhões a 30 milhões
Charles III: o que o príncipe fazia antes de virar rei?
A inovação matou o negócio dele. Após mudar tudo, este empreendedor de SC vai faturar R$ 200 milhões