A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Como a empresa do guru Michael Porter foi parar na Deloitte

Envolvida em escândalo após prestar consultoria ao ex-ditador Muammar Kadafi, empresa não conseguiu se recuperar da crise de 2008 e acabou pedindo proteção contra falência

São Paulo - A Deloitte anunciou hoje a conclusão da compra da Monitor, empresa de consultoria do guru Michael Porter. A transação é o último capítulo de um processo amargo para a Monitor: no começo de novembro passado, a companhia declarou publicamente que não conseguiria honrar seus compromissos financeiros, pedindo proteção contra a falência na corte de Delaware, nos Estados Unidos.

Os ativos foram colocados em leilão e arrematados pela Deloitte por 116,2 milhões de dólares. A modesta quantia dá pistas do calvário enfrentado pela companhia nos últimos anos. Fundada por seis sócios em 1983, a Monitor sempre esteve ligada aos grandes cérebros de Harvard. Um deles, Michael Porter, foi verdadeiramente alçado à fama, ganhando status de guru no campo da gestão corporativa.

A empresa cresceu, ganhou grandes contas e enfrentou concorrentes graúdos, como a McKinsey, Bain Company e The Boston Consulting Group. Mas a crise de 2008 foi severa com a companhia. Com o mercado deprimido, as empresas dedicadas unicamente à consultoria estratégica demoraram para se levantar. Foi o caso da Monitor. Muitas outras passaram a ofertar serviços de assessoria financeira para continuar de pé.

Além disso, a Monitor também teve a imagem arranhada por um episódio controverso: por 3 milhões de dólares anuais, a empresa foi contratada para ajudar a polir a imagem do governo de Muammar Kadafi, ex-ditador da Líbia, entre os anos de 2006 e 2008.

Kadafi, que permaneceu no poder por longevos 42 anos, viu seu comando entrar em crise em fevereiro de 2011, quando a Primavera Árabe chegou ao país. Suas práticas de opressão e violência foram questionadas no mundo inteiro. A Monitor terminou se desculpando publicamente por ter trabalhado para o ex-ditador, que morreu em outubro daquele ano.

No Brasil, a companhia já foi contratada por empresas de peso, como a Nestlé. Agora, seus profissionais passarão a atuar sob a marca "Monitor Deloitte". Serão cerca de 1.200 colaboradores se unindo ao time de 200.000 funcionários da Deloitte.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também