• BVSP 113.583,01 pts +0,0%
  • USD R$ 5,4088 +0,0169
  • EUR R$ 6,3156 +0,0094
  • ABEV3 R$ 15,83 +0,00%
  • BBAS3 R$ 29,87 +0,00%
  • BBDC4 R$ 20,87 +0,00%
  • BRFS3 R$ 26,28 +0,00%
  • BRKM3 R$ 57,47 +0,00%
  • BRML3 R$ 8,57 +0,00%
  • CSAN3 R$ 23,5 +0,00%
  • ELET3 R$ 39,37 +0,00%
  • EMBR3 R$ 23,53 +0,00%
  • Petróleo US$ 79,20 +0,61%
  • Ouro US$ 1.729,30 -1,30%
  • Prata US$ 27,09 +0,00%
  • Platina US$ 1.048,40 +0,00%

Como a Coca-Cola tenta combater a crise de plástico que ajudou a criar

Maior poluidora de plástico do mundo, a empresa está ajudando a construir a primeira fábrica moderna de reciclagem de garrafas de Hong Kong, que tem péssima reputação em relação ao lixo plástico não reciclado

Em 1978, quando a Coca-Cola se tornou a primeira empresa estrangeira com permissão para novamente operar na República Popular da China após a Revolução Comunista, a companhia optou por garrafas de vidro para a nova fábrica, em vez das latas ou plástico usados Ocidente, por uma razão simples.

“Uma boa garrafa pode ser reciclada, talvez 20 vezes”, disse Peter Lee, o primeiro presidente da Coca-Cola no país, em entrevista em junho. A indústria de embalagens da China estava em sua infância, e a Coca-Cola decidiu que poderia vender mais bebida gaseificada recuperando garrafas vazias no momento da entrega e reabastecendo-as.

Agora, a reciclagem se torna crítica para a imagem da empresa, e a China novamente representa um dos maiores desafios. A Coca-Cola produz cerca de 3 milhões de toneladas de embalagens plásticas no mundo todo a cada ano - o equivalente a cerca de 200 mil garrafas por minuto - e foi considerada a maior poluidora de plástico do mundo.

Um novo empreendimento em Hong Kong, uma cidade com uma das piores reputações em relação ao lixo plástico não reciclado, dá pistas de como a Coca-Cola pode resolver o problema. A parceira de engarrafamento da empresa na cidade, a Swire Coca-Cola - controlada por um dos clãs mais ricos de Hong Kong - está ajudando a construir a primeira fábrica moderna de reciclagem de garrafas da cidade. É uma das iniciativas de reciclagem mais ambiciosas de um dos parceiros da Coca-Cola e pode abrir caminho para empreendimentos mais sustentáveis na China.

A joint venture entre a Swire Coca-Cola, a Baguio Waste Management & Recycling e Alba, um grupo de reciclagem alemão, poderia capturar em plena capacidade a maior parte dos 5 milhões de garrafas plásticas que a cidade consome por dia. A fábrica deve ser inaugurada em setembro e teria lucro exportando o plástico triturado para a Europa, onde os preços são mais altos devido à exigência de que garrafas plásticas contenham pelo menos 25% de material reciclado até 2025.

Oceanos entupidos

É um pequeno passo para a Ásia, onde a rápida industrialização produziu montanhas de embalagens descartáveis que podem durar 400 anos. Juntos, China, Indonésia, Filipinas, Tailândia e Vietnã despejam mais plástico nos oceanos do que o resto do mundo, de acordo com a Ocean Conservancy. O problema se agravou na região quando a China parou de receber resíduos importados em 2018.

O problema é particularmente grave em Hong Kong, cujos 6 milhões de toneladas de resíduos anuais acabam em aterros onde os plásticos representam quase 25%. O que a cidade precisa reciclar é realizado principalmente por milhares de catadores de sucata, garis e empregadas domésticas que vasculham o lixo em busca de itens que possam vender.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.