Com pé no acelerador, Ferrari decidiu "ignorar" a crise do coronavírus

Montadora de carros de luxo italiana conseguiu aumentar produção em meio à pandemia e espera lucrar 1 bilhão de dólares em 2020

A Ferrari, uma das marcas mais conhecidas (e valiosas) do mundo por causa dos carros de luxo e da equipe de Fórmula 1, divulga os resultados financeiros do segundo trimestre nesta segunda-feira.

Ao que tudo indica, a pandemia pouco conseguiu frear as ambições da famosa escuderia italiana. Em maio, época em que boa parte do mundo já havia fechado fronteiras e encerrado boa parte das atividades econômicas na tentativa de conter o avanço do vírus, a empresa anunciou a investidores a intenção de lucrar 1 bilhão de dólares em 2020.

O anúncio foi uma exceção notável. Em meio à sucessão de percalços causados pelo vírus – a começar pela falta de peças, presas na China por causa das primeiras medidas do governo chinês para conter a pandemia, até o fechamento de concessionárias nas outras partes do mundo também afetadas pela crise sanitária –, muitas montadoras reduziram a projeção de lucros em mais de 50% ou mesmo pararam de divulgar expectativas para 2020.

No primeiro trimestre, a Ferrari mal sentiu os efeitos da pandemia. Apesar de fechar as fábricas em março, por causa do lockdown na Itália, a produção foi retomada após um mês. O 'pit stop' forçado não impediu a marca de aumentar 5% a produção no trimestre. Com isso, o faturamento caiu apenas 1%, muito menos do que estavam esperando os analistas.

Entre os motivos para a resiliência da Ferrari está nos consumidores de luxo da China, onde a pandemia causou estragos pequenos na comparação com o visto em países do Ocidente. Em três anos, a China deve representar 28% das vendas de luxo no mundo, nas contas da consultoria Bain & Company. No ano passado, era apenas 11%.

Em 2019, as vendas de carros da Ferrari a consumidores chineses cresceram ao redor de 10%, fazendo do país o terceiro maior mercado da montadora, atrás de Reino Unido e Alemanha.

Em maio, o valor de mercado da Ferrari chegou a 30 bilhões de dólares. Assim, ultrapassou o da americana General Motors (GM), uma concorrente muito maior. Das fábricas da Ferrari saem 10.000 unidades por ano. Da GM, 7 milhões.

Para os investidores, contudo, a força da marca Ferrari entre endinheirados mundo afora -- e em particular na China -- é um caminho mais rápido e seguro para lucrar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.