Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Com evento online, Elon Musk impulsiona popularidade do aplicativo Clubhouse

Ao usar o app do Clubhouse para fazer um debate com o presidente do Robinhood, o bilionário fez a demanda pelo aplicativo disparar

Uma inesperada conversa entre o bilionário da tecnologia Elon Musk e o presidente-executivo do aplicativo de investimentos Robinhood, Vlad Tenev, na Clubhouse ajudou a impulsionar a popularidade da nova rede social baseada em áudio e iniciou uma corrida por convites de acesso ao serviço exclusivo.

A interação entre os dois empresários na plataforma no domingo veio em meio a um intenso interesse por notícias sobre o Robinhood, o aplicativo envolvido em uma feroz batalha no mercado de ações entre investidores de varejo e grandes fundos de Wall Street.

A demanda por convites para o Clubhouse - membros podem convidar um número limitado de amigos durante o período de pré-lançamento - é tão grande que o mercado para eles cresceu em plataformas como Reddit, eBay e Craigslist.

Na China, os convites estão sendo vendidos no marketplace de produtos usados Idle Fish, do Alibaba, embora o Clubhouse não esteja disponível na loja de aplicativos da Apple naquele país. Na terça-feira, a empresa de análise de dados Sensor Tower disse que havia cerca de 3,6 milhões de instalações do aplicativo em todo o mundo - disponível apenas para iPhone - com 1,1 milhão de instalações nos últimos seis dias.

Investidores estão tão famintos por uma participação no aplicativo que, em um momento na segunda-feira, as ações do Clubhouse Media Group, que é de uma empresa não relacionada ao aplicativo, eram negociadas em alta de 117%.

A empresa chinesa de tecnologia Agora, listada na Nasdaq, viu suas ações saltarem 30% em meio a reportagens de que pode ser uma parceira de tecnologia do Clubhouse. A Agora se recusou a comentar, enquanto uma porta-voz do Clubhouse se recusou a responder questões sobre parceiros de tecnologia.

A última rodada de financiamento da empresa sediada em San Francisco em 24 de janeiro avaliou a companhia em 1 bilhão de dólares, disse uma fonte familiarizada com o assunto. O investimento foi liderado pela Andreessen Horowitz, uma empresa de capital de risco do Vale do Silício.

Em meio à sua popularidade, o Clubhouse também atraiu reações daqueles que criticam a natureza privada das conversas do aplicativo, como a que ocorreu entre Musk e Tenev.

Jessica Lessin, editora-chefe do veículo jornalístico de tecnologia The Information publicou no Twitter que Marc Andreessen, sócio-fundador da Andreessen Horowitz, que também investiu no Robinhood, impediu muitos repórteres de ouvir a conversa.

A conversa entre Musk e Tenev ocorreu em um evento regular do Clubhouse chamado "The Good Time Show”.

A Andreessen Horowitz não respondeu ao pedido da Reuters para comentar o assunto.

No entanto, o presidente-executivo do Clubhouse, Paul Davidson, disse à Bloomberg TV na segunda-feira que os anfitriões do evento poderiam escolher quem tem permissão para ouvir, ressaltando as preocupações sobre a natureza privada do aplicativo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também