• BVSP 107.705,93 pts -1,1%
  • USD R$ 5,5047 +0,0460
  • EUR R$ 6,2315 +0,0402
  • ABEV3 R$ 14,74 +0,34%
  • BBAS3 R$ 31,22 +0,06%
  • BBDC4 R$ 21,17 +1,49%
  • BRFS3 R$ 22,77 +0,35%
  • BRKM3 R$ 49,85 +3,42%
  • BRML3 R$ 9,03 -1,85%
  • CSAN3 R$ 21,71 -1,23%
  • ELET3 R$ 33,34 -1,91%
  • EMBR3 R$ 20,57 +0,19%
  • Petróleo US$ 86,52 -1,56%
  • Ouro US$ 1.840,00 +0,45%
  • Prata US$ 23,91 -1,71%
  • Platina US$ 1.023,90 -1,08%

A cultura chinesa de trabalhar embriagado alimenta o movimento #MeToo

Uma cultura corporativa construída em torno do consumo de álcool, como a da China, colocou pressão sobre empresas como Alibaba e Didi sobre comportamentos abusivos de funcionários

metoo-china-alibaba-alcool Autoridades chinesas estão ampliando o cerco sobre empresas de tecnologia para, entre outras coisas, criarem políticas para coibir o hábito de forçar empregados a consumir bebida contra a própria vontade

Autoridades chinesas estão ampliando o cerco sobre empresas de tecnologia para, entre outras coisas, criarem políticas para coibir o hábito de forçar empregados a consumir bebida contra a própria vontade (Bloomberg Businessweek/BLOOMBERG BUSINESSWEEK)

Por Zheping Huang e Bruce Einhorn

Erine ingressou no serviço chinês de aplicativo de transporte, Didi Global, em 2020, diz ela, atraída pela oportunidade de trabalhar para uma das empresas de tecnologia mais importantes do mundo.

Em julho daquele ano, ela teve uma de suas primeiras atribuições em uma pequena cidade uma reunião com um cliente que terminou em um banquete, a comida acompanhada de muitas garrafas de vinho tinto e um licor chinês chamado baijiu.

Isso não era incomum: jantares de negócios chineses geralmente envolvem muito álcool, não muito diferente das embriagadas reuniões de trabalho da Nova York dos anos 1960, apresentadas no seriado de TV, Mad Men.

Erine, agora com 33 anos, era a única mulher na mesa, e ela diz que se sentiu obrigada a aderir à bebida forte e continuar na festa quando foram para outro restaurante. A próxima coisa que ela diz que se lembra é do cliente tateando-a no banco de trás de um carro, e novamente em seu quarto de hotel.

Mais tarde, nas redes sociais, ela postou imagens de um olho esquerdo e boca inchados ferimentos sofridos quando o cliente a agrediu sexualmente, diz ela.

Dois dias após o suposto incidente, Erine relatou o caso à polícia, que um mês depois, abandonou a investigação e o relatório do promotor de justiça não encontrou nenhuma evidência médica para provar "atos libidinosos a força", um termo que pode abranger agressão sexual na China. Erine começou a divulgar sua história nas redes sociais, mas pouca atenção recebeu.

Então, em agosto deste ano, uma funcionária do Grupo Alibaba acusou publicamente seu gerente de assédio sexual, também após uma noite de bebedeira. O Alibaba demitiu o gerente acusado e dois executivos seniores pediram demissão por não lidarem corretamente com o incidente.

Quando o incidente se tornou viral, Erine começou a novamente compartilhar seu infortúnio no maior site de micro blogue da China, o Weibo. Desta vez, os usuários das redes sociais aproveitaram a conta dela, com centenas de seguidores em seu perfil, repostando suas atualizações.

Acerto de contas

O caso Alibaba está dando destaque às experiências de mulheres como Erine. Isso desencadeou um acerto de contas para uma cultura corporativa construída em torno do consumo de álcool e bate-papos relacionados ao trabalho, e colocou uma pressão sem precedentes sobre as empresas para lidar com os comportamentos abusivos que podem surgir deles.

A mídia controlada pelo Estado desencadeou uma torrente de críticas ligando o assédio a funcionárias às políticas corporativas de consumo de álcool, e as autoridades em Pequim estão prestando mais atenção a essas questões como parte da enorme pressão moral do presidente Xi Jinping para esclarecer tudo, seja o lucro obtido nas aulas de reforço escolar ou dependência dos jovens nos jogos online.

O portal online Sina do Alibaba, e o IQiyi versão chinesa do Netflix introduziram nas últimas semanas políticas mais rígidas para impedir o consumo excessivo de álcool em eventos de trabalho e conter o assédio sexual.

Pode levar anos para que a mudança ocorra de forma ampla, mas é um momento crucial para uma nação que ignorou o barulho impacto do movimento #MeToo, que explodiu em outros lugares em 2017.

“A cultura da mesa de bebidas se tornou uma folha de figueira para o bullying no local de trabalho, transformando o lugar onde os escalões superiores podem usar seu poder para intimidar outros e até mesmo desencadear incidentes graves de crimes ilegais”, escreveu o Serviço de Notícias da China, estatal chinesa, em um comentário em agosto.

O Grupo Didi não respondeu a vários pedidos de comentário sobre a conta de Erine e suas políticas sobre bebida e assédio. A polícia local e o governo da cidade de Xinghua, onde Erine relatou seu caso, também não responderam aos questionamentos.

Erine, que pediu para ser identificada apenas pelo nome em inglês, que às vezes usa ao fazer negócios porque tem medo de retaliação, mostrou documentos da Bloomberg News, incluindo o relatório da polícia, o relatório do promotor local e um relatório do hospital que descreveu os ferimentos que ela mostrou nas fotos online.

A Bloomberg News não conseguiu entrar em contato com o cliente que ela acusou e as mensagens para uma conta do WeChat que Erine disse pertencer ao cliente ficaram sem resposta. Erine também forneceu à Bloomberg News uma gravação da conversa que ela diz ter ocorrido entre ela e o cliente na delegacia.

Na gravação, que a Bloomberg News não conseguiu comprovar de forma independente, o cliente parece negar o delito, dizendo que Erine caiu e ele a carregou de volta para o hotel.

Depois que o caso do Alibaba se tornou viral, o Comitê Central de Inspeção e Disciplina, órgão anticorrupção do governo, criticou a empresa, dizendo que ela tinha uma péssima cultura de trabalho.

Beber contra a própria vontade

Na ocasião, o Alibaba não respondeu diretamente a esses comentários. Mas, em agosto, começou uma investigação interna na conta da funcionária. Mais tarde, a empresa repreendeu publicamente seu chefe de recursos humanos, abriu uma linha direta para reclamações de assédio sexual e criou um comitê de alto nível para resolver disputas futuras.

“Nos opomos veementemente à horrível cultura de beber contra a vontade”, disse o CEO do Alibaba, Daniel Zhang, em um memorando interno em agosto. “Independentemente do gênero, seja uma solicitação feita por um cliente ou supervisor, nossos funcionários têm a liberdade de rejeitá-la”.

Embora restrições ao consumo excessivo de álcool durante o trabalho tenham feito parte dos códigos de conduta de muitas empresas ocidentais durante anos, as empresas chinesas adotaram, até recentemente, uma abordagem diferente.

Os empregadores costumam promover eventos em que os gerentes pressionam seus funcionários de nível inferior a beber como parte de uma tradição de quanjiu —  ou beber contra a vontade própria —  escreveu Nie Huihua, professor da Escola de Economia da Universidade Renmin da China, em um artigo de agosto passado para o grupo de mídia chinês Caixin Global.

Mas desde que as alegações do Alibaba chegaram às manchetes, as mulheres se reuniram nas redes sociais para denunciar o sexismo que dizem ser endêmico no mundo dos negócios da China e, particularmente, em seu segmento de tecnologia.

Pode consistir em tudo, desde rituais de trote, durante os quais alguns são solicitados a simular atos sexuais, até anúncios de emprego que usam mulheres como isca para atrair trabalhadores do sexo masculino. Grande parte desse assédio ocorre em eventos onde há consumo excessivo de álcool, dizem as mulheres.

As empresas de tecnologia foram as primeiras a reagir. Um porta-voz da Sina Corp. em Pequim, que controla o Weibo, disse que acrescentou novas cláusulas contra o assédio sexual quando recentemente divulgou diretrizes para funcionários sobre benefícios médicos e outros assuntos.

E a IQiyi, em 13 de agosto, disse aos funcionários que atualizou as diretrizes do local de trabalho para proibir o assédio sexual, o consumo forçado de álcool e outros tipos de intimidação no local de trabalho, informou a imprensa local. Um porta-voz da IQiyi não quis comentar.

Nada de mudanças da noite para o dia

A administração do conglomerado Grupo Dalian Wanda realizou uma reunião para anunciar novas políticas dias após a notícia sobre o episódio do Alibaba, dizendo que as funcionárias não deveriam ser obrigadas a acompanhar os clientes para bebidas e os funcionários do sexo masculino e feminino não deveriam viajar a negócios juntos, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. O objetivo era evitar escândalos, mesmo que a empresa não tenha uma cultura de consumo forçado, diz essa pessoa. O Dalian Wanda não respondeu a um pedido de comentário.

Na mesma época, uma funcionária do Grupo Guizhou Guotai Liquor reclamou de abuso sexual por parte de seus colegas do sexo masculino após beberem, relatou o China Daily. A empresa divulgou em agosto um comunicado dizendo que estava “chocada” com o escândalo e, embora não tivesse recebido informações da polícia, considerou o assunto importante e seguiria qualquer investigação.

Ainda assim, é improvável que a mudança aconteça da noite para o dia. Emily, 32, ex-profissional de marketing de uma empresa de tecnologia em Shenzhen que pediu para não ser identificada, discutindo sobre a vida profissional, diz que os clientes pressionaram-na a beber, embora ela tenha deixado claro que não bebia.

A cultura interna não era muito melhor, e seu gerente, casado, a convidou para sair, diz ela. Depois de dizer não, Emily diz que foi deixada de lado no trabalho e que a empresa acabou não renovando seu contrato, alegando baixo desempenho. Quando estava à procura de emprego, um potencial empregador perguntou se ela gostava boa em beber e outro fez comentários sua aparência, diz ela.

Promotores de justiça retiraram as acusações contra o ex-gerente do Alibaba que foi acusado de assédio no início de setembro, dizendo que não podiam provar que seu comportamento poderia ser configurado como crime.

Também em setembro, um tribunal de Pequim rejeitou uma reclamação de uma ex-estagiária da emissora de televisão estatal da China, que disse que um popular apresentador de TV a assediou sexualmente em 2014. O tribunal disse que a reclamação não tinha evidências e o apresentador de TV negou a acusação, que foi apresentada em um processo civil.

Apoio online

A mulher disse que apelaria e, embora suas contas nas redes sociais tenham sido suspensas, as pessoas a defenderam online. “A responsabilidade legal não foi suficiente para deter a ação mas a mídia social de certa forma mudou o jogo, porque isso dá poder para iniciar uma campanha viral para conscientizar o mundo”, diz Bonnie Levine, do escritório de direito trabalhista, Ogletree Deakins, com sede em Atlanta, que assessora multinacionais que operam na China.

Ocorre que muitas das mulheres que divulgam seus casos obtêm apoio online, mas muitas vezes também enfrentam duras críticas. O governo até agora permitiu críticas na imprensa estatal e tolerou a discussão em plataformas de mídia social estritamente censuradas.

Um novo código civil que entrou em vigor em janeiro leva a questão ainda mais longe, exigindo que empregadores tomem medidas para prevenir o assédio sexual e investiguem as alegações. As regras não deixam claro se as empresas são responsáveis pelo que acontece nos locais onde os executivos levam os clientes, mas sugerem que a cultura está mudando.

“O caso do Alibaba mostrou, em termos de opinião pública, que as pessoas pensam que isso é importante e que coisas que acontecem fora do local de trabalho devem ser tratadas como assédio sexual”, disse Matthew Durham, advogado trabalhista do escritório de advocacia Gall em Hong Kong.

Erine, a mulher que fez as denúncias contra o cliente do Didi, diz que saiu da empresa três meses após a suposta agressão e ainda está desempregada. Logo depois que a polícia abandonou a investigação, seu chefe começou a convidá-la com frequência para fazer viagens de negócios sozinha e sugeria reuniões em seu quarto de hotel, diz ela.

Quando contatado por telefone, o gerente se recusou a comentar e encaminhou perguntas sobre a conta de Erine para o Grupo Didi, que não comentou e não respondeu a uma solicitação para disponibilizar esse gerente para comentários.

Erine agora relata suas experiências quase todos os dias no Weibo. Ela prometeu aos seguidores que continuará falando, a menos que alguém a impeça à força. “A cultura de beber em si não é feia. O que é feio é que a cultura agora carrega a desculpa do trabalho ”, disse ela em uma entrevista. “Elas não se separam.” — Com Shirley Zhao, Coco Liu e Claire Che

Como a vida pós-vacina vai mudar a sua vida profissional? Assine a EXAME e entenda.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.