'Chernobyl chileno': Codelco, maior produtora de cobre do mundo, anuncia fechamento de fundição

A decisão ocorre depois de um novo episódio de contaminação do ar em 9 de junho passado, que afetou 115 pessoas, a maioria estudantes, obrigando o fechamento das escolas
Fundição da Codelco na zona industrial de Quintero e Puchuncaví, no Chile: presidente chileno Gabriel Boric disse sentir "vergonha" da poluição causada pelo complexo industrial (Alberto Peña/AFP)
Fundição da Codelco na zona industrial de Quintero e Puchuncaví, no Chile: presidente chileno Gabriel Boric disse sentir "vergonha" da poluição causada pelo complexo industrial (Alberto Peña/AFP)
A
AFPPublicado em 18/06/2022 às 12:30.

A empresa estatal Codelco, maior produtora de cobre do mundo, anunciou o fechamento de uma fundição situada no "Chernobyl chileno", uma das várias áreas de contaminação do país pela qual o presidente Gabriel Boric disse sentir "vergonha".

Com o voto majoritário de sua diretoria, a empresa anunciou a decisão na sexta-feira (17), após determinar o fechamento da fundição Ventanas, na zona industrial de Quintero e Puchuncaví, 140 km a oeste de Santiago.

A decisão ocorre depois de um novo episódio de contaminação do ar em 9 de junho passado, que afetou 115 pessoas, a maioria estudantes, obrigando o fechamento das escolas, como ocorre há décadas por causa da poluição no local.

"Não queremos mais áreas de sacrifício (ambiental). Hoje existem centenas de milhares de pessoas que vivem no nosso país expostas à deterioração ambiental severa que causamos ou consentimos e que como chileno me envergonha", disse o presidente.

Situado na costa leste do país, o "Chernobyl chileno" é foco há décadas de crises de intoxicação na população por contaminação do ar por causa da indústria da mineração.

A decisão da Codelco "foi tomada considerando os casos recorrentes de intoxicação que têm havido na operação da fundição", disse Gabriel Boric.

Em nota, a Codelco explicou que "a complexa situação socioambiental do polo industrial de Puchuncaví-Quintero ficou exposta nas últimas semanas após episódios diferentes de intoxicações".

"Esta usina está localizada dentro de um complexo industrial, mineiro, energético e portuário, cujas condições ambientais causaram incidentes que afetam especialmente meninos e meninas de escolas e jardins de infância, assim como adultos idosos", acrescentou a estatal na nota.

Assim que a decisão foi divulgada, dezenas de trabalhadores da Fundição Ventanas foram protestar na rua e ergueram barricadas incendiárias contra a medida.

"Não somos os responsáveis pela contaminação de Quintero Puchuncaví. Precisamos de investimento e não concordamos com esta decisão, já fecharam a usina e isso não muda a contaminação", disse um trabalhador irritado no protesto, sem se identificar à imprensa.

No Palácio Presidencial de La Moneda, em Santiago, Boric assegurou aos 350 funcionários da fundição que "nenhum trabalhador ou trabalhadora vai ficar sem seu emprego na companhia".

"Seus postos se trabalho estão assegurados em outros setores da empresa, nas mesmas condições que têm atualmente, sem nenhum dano", enfatizou o presidente.

Quintero e Puchuncaví, duas cidades costeiras com cerca de 50.000 habitantes, são consideradas "zonas de sacrifício ambiental" desde que em 1958 o governo chileno decidiu relegar a pesca artesanal e a agricultura para transformar a área em um polo industrial onde hoje há quatro termelétricas a carvão e refinarias de petróleo e cobre.

VEJA TAMBÉM:
Mais de 100 intoxicados em área conhecida como "Chernobyl chilena"