A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Carrefour faz novo alerta de lucro após prejuízo no primeiro semestre

Empresa espera uma queda de 15% do lucro operacional em 2011

Paris - O Carrefour, maior varejista da Europa, alertou nesta quarta-feira para uma queda de 15 por cento no lucro operacional deste ano, enquanto reduz preços na tentativa de recuperar participação de mercado em meio a um ambiente econômico "cada vez mais desafiador".

As ações do Carrefour, que já havia emitido quatro alertas de lucro em menos de um ano, recuavam 4 por cento nesta quarta-feira, após a companhia apresentar um inesperado prejuízo de 249 milhões de euros para o primeiro semestre, impactado por encargos de 884 milhões de euros, decorrentes principalmente de perdas com as operações na Itália.

O grupo apresentou uma queda de 22 por cento no lucro operacional de janeiro a junho, para 772 milhões de euros.

A empresa se comprometeu em melhorar sua posição competitiva, mas também indicou que esse movimento afetará os ganhos no curto prazo.

"Tomamos a decisão de priorizar a criação de valor sustentável em vez de ganhos no curto prazo", afirmou o presidente-executivo do grupo, Lars Olofsson, acrescentando que a companhia vai priorizar cortes de preços ante promoções.

Na ocasião do alerta de lucro anterior, em julho, o Carrefour afirmou ainda esperar um aumento no lucro operacional anual, embora analistas tenham cortado suas previsões para ganho entre 2,3 bilhões e 2,4 bilhões de euros, ou queda de 11 a 15 por cento.

Olofsson tem sido pressionado após apresentar, em junho de 2009, um plano de recuperação em três anos que, até o momento, resultou em poucos ganhos duradouros.

No primeiro semestre, o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) do Carrefour caiu 40 por cento na França, onde a companhia tem 40 por cento da sua receita, e recuou 33 por cento no restante da Europa. Em contrapartida, o Ebitda cresceu 27 por cento na América Latina e 11 por cento na Ásia.


Brasil

Olofsson afirmou nesta quarta-feira que a empresa não precisa de parceiros no Brasil, mas está revendo todas as oportunidades de crescimento no país.

Ele acrescentou que a nomeação de Pierre Bouchut como diretor de mercados emergentes reflete os planos para acelerar o crescimento nessas economias.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também