• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Cargill inaugura fábrica de pectina no Brasil, a primeira fora da Europa

A fábrica é a única instalação de pectina da Cargill fora da Europa, onde possui três unidades do gênero
Cargill: a empresa, uma das maiores tradings de soja e milho do Brasil, havia anunciado a construção da nova planta em 2018 (Reuters/Denis Balibouse)
Cargill: a empresa, uma das maiores tradings de soja e milho do Brasil, havia anunciado a construção da nova planta em 2018 (Reuters/Denis Balibouse)
Por ReutersPublicado em 03/09/2021 16:56 | Última atualização em 03/09/2021 17:43Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A unidade brasileira da companhia de commodities americana Cargill concluiu a construção de uma nova fábrica para produzir pectina, um subproduto de frutas utilizado em geleias, bebidas, laticínios e confeitaria, anunciou a empresa nesta sexta-feira.

A fábrica é a única instalação de pectina da Cargill fora da Europa, onde possui três unidades do gênero. A nova planta tornará a Cargill a segunda maior produtora mundial do ingrediente alimentício, disse em entrevista o diretor de amidos e adoçantes da empresa na América do Sul, Laerte Moraes.

Localizada perto do cinturão citrícola do Brasil – onde a Cargill terá casca de laranja como matéria-prima –, a fábrica deve ajudar a reduzir os custos de produção da empresa, já que atualmente duas de suas fábricas na Europa precisam importar cascas de laranja para então processá-las.

Segundo a companhia, a unidade brasileira atenderá principalmente aos mercados de exportação, especialmente clientes da Ásia, e empregará 120 pessoas.

O movimento da Cargill reflete uma necessidade de se equilibrar negócios de grande volume com margens mais baixas ao mesmo tempo que amplia a presença em segmentos de mercado com volumes menores, mas preços mais altos.

Trata-se também de uma resposta à evolução dos clientes industriais e das necessidades dietéticas dos consumidores. A demanda global por pectina, um ingrediente natural que pode ser utilizado na culinária e panificação como agente emulsificante, estabilizador e espessante, deve crescer até 4% ao ano, disse a Cargill.

A empresa, uma das maiores tradings de soja e milho do Brasil, havia anunciado a construção da nova planta em 2018. Embora os trabalhos tenham atrasado ligeiramente em 2020 devido às restrições relacionadas à pandemia de covid-19, a fábrica começará a operar neste mês, disse Moraes.

A nova instalação tem capacidade para produzir cerca de 6.000 toneladas de pectina por ano. Um quilo do produto pode custar de 15 a 20 dólares, segundo Moraes. Ele acrescentou que a Cargill investiu 550 milhões de reais na fábrica.

  • Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais