Negócios

Cade aprova parceria Raízen e Femsa para expansão de lojas de conveniência

Pretensão das empresas é formar uma joint venture para expandir seus negócios em lojas de conveniência

Lojas de conveniência: Femsa e Raízen fecharam parceria para expansão dos negócios no setor (buzbuzzer/Getty Images)

Lojas de conveniência: Femsa e Raízen fecharam parceria para expansão dos negócios no setor (buzbuzzer/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 18 de setembro de 2019 às 11h15.

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, ato de concentração entre a mexicana Femsa e a Raízen Combustíveis para a constituição de uma joint venture para expandir seus negócios em lojas de conveniência. A decisão está formalizada no Diário Oficial da União (DOU).

De acordo com as empresas, a nova companhia, avaliada em R$ 1,1 bilhão, vai desenvolver "uma rede varejista de lojas de conveniência e proximidade, dentro e fora de postos de gasolina, sob as marcas Shell Select, Oxxo e outras que venham a ser escolhidas de tempos em tempos".

As duas companhias terão 50% do novo negócio.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, o vice-presidente comercial da Raízen, Leonardo Pontes, disse no início do mês passado que a parceria entre as duas empresas permitirá a expansão mais rápida do número de lojas com a marca Select - hoje com mil unidades em todo País. "Também vamos abrir lojas de proximidade com a marca Oxxo fora dos postos", comentou.

Segundo ele, a nova empresa vai competir com grandes varejistas, como Pão de Açúcar e Carrefour, que já têm lojas de proximidade em todo País. "Esse é um mercado que comporta 20 mil unidades em todo o País. Queremos abocanhar uma parte disso."

No Brasil, a Shell tem cerca de 6,5 postos de combustíveis.

Acompanhe tudo sobre:CadeFemsaJoint-venturesRaízen

Mais de Negócios

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Mais na Exame