Negócios
Acompanhe:

Brasileiros querem reduzir seu impacto ambiental, mas não mudam rotina, diz pesquisa

Estudo ouviu pessoas em mais de 30 países e mostra as percepções dos consumidores sobre um estilo de vida mais sustentável

 (d3sign/Getty Images)

(d3sign/Getty Images)

D
Da Redação

9 de dezembro de 2022, 08h42

s brasileiros estão entre os mais conscientes do mundo sobre seus efeitos no meio ambiente. É o que indica a pesquisa Vida Saudável e Sustentável 2022: Um estudo global de percepções do consumidor, divulgada no fim de novembro pelo Instituto Akatu, ONG que atua na mobilização da sociedade para o consumo consciente, e a consultoria global GlobeScan.  

Segundo o levantamento, 81% entendem que o que é bom para um indivíduo nem sempre é bom para a natureza, contra 46% na média mundial, e 84% querem reduzir seu impacto pessoal sobre o planeta, 11 pontos acima da média. 

Realizada anualmente desde 2019, a edição deste ano da pesquisa foi realizada em 31 países, entre junho e julho, e contou com mil entrevistados no Brasil. 

Percepção dos problemas ambientais

No país, enxergamos maior seriedade nos problemas globais – de 15 a 30 pontos percentuais a mais que a média dos países. Oito em cada 10 entrevistados brasileirostambém apontaram as questões ambientais como as situações mais urgentes a serem resolvidas no mundo.

Poluição da água, esgotamento dos recursos naturais e perda de espécies de animais e plantas estão entre os cinco maiores desafios atuais para os brasileiros.

Potencial das ações individuais

Por aqui, 72% das pessoas acreditam que estão fazendo tudo o que podem para proteger o meio ambiente. Mas há uma distância grande entre o desejo e os que, de fato, fazem algo para alterar o estilo de vida: apenas 25% dos brasileiros realizaram alguma mudança no último ano buscando reduzir o impacto no meio ambiente e no clima.

Para 26%, inclusive, os indivíduos não podem fazer muito para salvar o meio ambiente, índice 6% superior à edição anterior da pesquisa. 

“Isso reproduz o que ocorre na média dos países, mostrando que não evoluiu a percepção de quão longe as ações individuais estão de seu potencial de contribuição e/ou de quais são as ações que podem contribuir para esse resultado”, analisa o relatório final.

Fontes de informação e inspiração

Membros da família, mídia tradicional (TV, rádio e notícias) e mídias sociais são os maiores influenciadores de um estilo de vida mais sustentável para aproximadamente 30% dos entrevistados. 

Na sequência, vêm as empresas e marcas, com 26% –resultado, segundo o estudo, bem mais significativo no Brasil do que na média dos países (26% contra 18%). Governo,  amigos, ONGs, livros e escolas vêm na sequência, com 19% cada.

Um quarto dos brasileiros enxergam as marcas como importantes influenciadoras para um estilo de vida mais saudável e sustentável

Na avaliação de quem tem ajudado melhor as pessoas a terem hábitos mais sustentáveis, ONGs, ambientalistas e grupos ativistas aparecem em primeiro lugar (60%). Outros 43% dizem que as grandes empresas estão se saindo bem nesse sentido e 30%, os governos. 

Escolhas de consumo

Na pesquisa, 55% afirmam que estão dispostos a pagar mais por produtos ou marcas mais sustentáveis, índice semelhante à média global, de 57%. Um produto ser ecologicamente correto influencia muito a decisão de compra de cerca de metade da população (entre 43% e 55%), especialmente itens de cuidado pessoal (55%) e limpeza (51%).

A influência exercida por alguns temas se sobressai para o brasileiro – 56% dizem que suas decisões de compra são bastante impulsionadas por marcas que promovem a agricultura sustentável e o uso eficiente dos recursos naturais, como a água. Marcas que desenvolvem programas de reciclagem/reuso de embalagens também ganham a preferência de 54%.

“Destaca-se que as decisões de compra das mulheres são mais influenciadas por todos os itens se comparadas às dos homens, o que é coerente com o seu perfil atitudinal, como revelado em outros estudos”, salienta o estudo. São de 10 a 14 pontos percentuais a mais que os homens. 

Mais da metade dos brasileiros se dizem dispostos a pagar mais por itens e marcas com processos de produção mais sustentáveis

Nas compras feitas até um mês antes do levantamento, 43% dos brasileiros afirmam ter comprado possivelmente um produto ecologicamente correto. Os principais foram alimentos frescos (33%). Por outro lado, 57% declaram não ter comprado produtos ecológicos ou não ter certeza se o fizeram. 

“Essa possível incerteza aponta para uma dificuldade das marcas em comunicar os atributos de sustentabilidade do que oferecem, mesmo que isso se deva à falta de atenção do próprio consumidor na hora da compra, que, em última instância, revela a mesma dificuldade”, dizem os autores da pesquisa.

Visão do futuro

No geral, os brasileiros são menos otimistas sobre o futuro quando comparados à média dos 31 países: enquanto 54% das pessoas no mundo acham que há probabilidade de a maioria das pessoas adotar estilos de vida mais sustentáveis nos próximos dez anos, no Brasil 43% acreditam que essa adoção acontecerá e 28% opinam que isso provavelmente não acontecerá. 

Healthy & Sustainable Living in Brazil: Engaging Consumers in Sustainability from GlobeScan on Vimeo.